app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5735
Opinião

Uma marquesa vener�vel

Em todo o tempo de nossa formação salesiana, sempre tivemos ideia bem negativa a respeito da Marquesa Di Barolo, contemporânea de Dom Bosco. Agora, o Boletim Salesiano de agosto deste ano surpreendeu com a notícia de que, neste 5 de maio p. passado, o San

Por | Edição do dia 11/09/2015 - Matéria atualizada em 11/09/2015 às 00h00

Em todo o tempo de nossa formação salesiana, sempre tivemos ideia bem negativa a respeito da Marquesa Di Barolo, contemporânea de Dom Bosco. Agora, o Boletim Salesiano de agosto deste ano surpreendeu com a notícia de que, neste 5 de maio p. passado, o Santo Padre, o Papa Francisco, em audiência com o Prefeito da Congregação para as Causas dos Santos, o salesiano Cardeal Angelo Amato, autorizou a promulgação do decreto pontifício, declarando a Serva de Deus, Júlia Golbert, leiga, viúva, fundadora das Congregações das Filhas de Jesus e das Irmãs de Santana, como possuidora de virtudes heroicas e, portanto, lhe concede o título de Venerável. É o passo último para, com a aprovação de um milagre atribuído a sua exclusiva intercessão, conferir-lhe o título de Beata. Júlia Golbert é a Marquesa Di Barolo, que nasceu em Maulévrier, na Vandéia francesa, em 26 de junho de 1786 e, viúva sem filhos, faleceu em Turim ( Piemonte – Itália) em 19 de janeiro de 1864, sendo uma das figuras femininas turinesas mais carismáticas do século XIX. Casada em 1807 com o Marquês Tancredi Di Barolo, foi amiga dos personagens mais ilustres da sociedade turinesa do tempo, como o rei do Piemonte, Carlos Alberto, o Marquês Cavour e o famoso escritor Sílvio Pellico. Não tendo filhos e profundamente religiosa, decidiu empregar toda sua fortuna na assistência aos necessitados de Turim. E é aí que se encontra com Dom Bosco, que, a essa altura, dedicara sua vida aos jovens pobres e abandonados da capital do Piemonte. Excelente biógrafo de Dom Bosco, Pe. Arthur Lenti, nas páginas 465-469 do I volume de sua nova e monumental obra, em 3 grossos volumes “Dom Bosco, história e carisma”, dá-nos preciosas informações do que ele chama “O confronto com a Marquesa”. Dom Bosco começara seu Oratório com os meninos de rua de Turim, funcionando na sacristia de igreja de S. Francisco de Assis, onde encontrara seu primeiro aluno, Bartolomeu Garelli. A Marquesa o havia contratado como um dos capelães – eram três – de suas meninas e freiras e D. Bosco para lá levara cada domingo seus barulhentos meninos. Acontece que os meninos de Dom Bosco, sempre em aumento, passaram a constituir séria dificuldade pela proximidade com as meninas da Marquesa e suas obras, todas dedicadas ao público feminino. Então ela, muito preocupada com a saúde de Dom Bosco e a mistura de suas meninas com os meninos de Dom Bosco, convida-o para um encontro, em que lhe faz duas propostas precisas: Tomar um tempo de descanso fora da cidade e, no retorno, deixar o trabalho com os meninos, para dedicar-se exclusivamente às obras da Marquesa, com aumento de salário. Ela dava a Dom Bosco um tempo para pensar e decidir. Dom Bosco respondeu-lhe que a decisão já estava tomada e era imediata. Ele deixaria o trabalho nas obras da Marquesa para dedicar-se inteiramente aos seus jovens. E aí começa sua peregrinação pelos bairros de Turim, até encontrar a casa Pinardi – uma palheiro – em Valdocco. A Marquesa, que tanto admirava o “ótimo” Dom Bosco, como diz em uma carta, não deixou de enviar, com certa frequência, expressivas ofertas de dinheiro, em envelopes anônimos, para ajudar as Obras de Dom Bosco. Esta é a verdadeira Marquesa Di Barolo, agora Venerável...

Mais matérias
desta edição