app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5714
Opinião

Cristo e o Brasil

MILTON HÊNIO * Hoje é Domingo de Páscoa. Comemoramos a Ressurreição de Cristo. Domingo de Páscoa é dia de alegria, pois é o dia da esperança. Retornando ao Pai, Jesus pede pelo seus: “Agora vou para ti e digo isto ao mundo para que tenham em si a plenitu

Por | Edição do dia 31/03/2002 - Matéria atualizada em 31/03/2002 às 00h00

MILTON HÊNIO * Hoje é Domingo de Páscoa. Comemoramos a Ressurreição de Cristo. Domingo de Páscoa é dia de alegria, pois é o dia da esperança. Retornando ao Pai, Jesus pede pelo seus: “Agora vou para ti e digo isto ao mundo para que tenham em si a plenitude de minha alegria”. Cristo ressuscita todos os dias na vida de todas as pessoas quando elas o desejam. Ressuscita no lavrador que trabalha de sol a sol, ganho suado para ter o pão de cada dia, ressuscita na criança abandonada que espera um dia ser gente, ressuscita na mulher grávida que carrega em seu ventre uma criança para o mundo. O mundo vai ficando cada vez menor através da televisão, pois sabemos em minutos o que ocorre em qualquer parte da Terra. E ficamos entristecidos com o desfilar diário de tragédias morais e físicas que afetam as populações por culpa dos homens. Cristo aqui passou com projetos grandiosos para que os homens fossem felizes. Deus tem sempre um plano sábio para cada um de nós. Nós é que o recusamos. Quando eu era menino ouvia constantemente meu avô dizer: “Deus é brasileiro”. E continuava sua afirmação em tom de ironia, dizendo que só sendo brasileiro Deus poderia se apiedar de nós, nos dar forças para conseguirmos enfrentar tantas adversidades e tantos políticos que faltavam com a verdade. Esse diálogo acontecia em 1945. Hoje, início do século 21, a situação pirou. Assistimos agora ao caso da pré-candidata Roseana Sarney. Jader Barbalho é outro exemplo. E o povo sofre profundamente com essas atitudes cretinas, fica humilhado, triste, decepcionado e sem esperança. Só o Cristo pode nos acalentar, com essa esperança. É que 500 anos de vida é muito tempo e ainda vivemos em grande anarquia. Cristo disse: “Faça que eu te ajudarei”. Deus, entretanto, está encontrando grandes dificuldades em ajudar o Brasil, porque há muito tempo muitos brasileiros não estão fazendo a coisa certa. Nossos dados estatísticos mostram que para sermos uma grande Nação teremos de caminhar muito ainda. Como dizia Roberto Campos, temos acompanhado a modernidade, porém temos tido um progresso muito inferior ao esperado pelos anos de vida que temos. O povo aflige-se ao ver essa luta que desalenta os bons princípios e fortifica os maus. O Brasil é um país difícilporque as disparidadessãomuito grandes e as injustiças contra aqueles que não têm prestígio e posição social são clamorosas. O que o povo brasileiro deseja não é a igualdade de renda, que é impossível; o povo quer é igualdade de oportunidades. O presidente FHC, como sociólogo e estudioso do assunto, deveria ser o primeiro a batalhar para que o filho do desembargador, do médico, do político ou do homem rico, tivesse sempre as mesmas oportunidades do filho do lavrador. Muita gente atribui toda esta confusão a nossa origem, os nossos primeiros habitantes, aos nossos primeiros invasores. Crises políticas sempre existiram em todas as épocas. (*) É MÉDICO PEDIATRA

Mais matérias
desta edição