app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 0
Opinião

DIREITO À SAÚDE

.

Por Editorial | Edição do dia 08/04/2021 - Matéria atualizada em 07/04/2021 às 22h09

Comemorou-se ontem o Dia Mundial da Saúde. A data foi criada pela Organização Mundial de Saúde (OMS), em 1948, devido a preocupação de seus integrantes em manter o bom estado de saúde das pessoas em todo o mundo, e também alertar sobre os principais problemas que podem atingir a população mundial. Este ano, o tema é “Construir um mundo mais justo, equitativo e saudável”.

No Brasil, nos últimos 30 anos, houve um grande esforço da sociedade para organizar e colocar o em funcionamento um sistema público para cumprir o que estabelece a Constituição, que vê a saúde como um direito de todos. O SUS trouxe avanços na atenção primária, na redução expressiva da mortalidade infantil, na Vigilância Epidemiológica e Sanitária, na política de Assistência Farmacêutica, de transplantes, no Samu, na política de Aids, na Reforma Psiquiátrica, no combate ao uso de tabaco, na política do sangue, entre outras políticas públicas. Até por sua complexidade e dimensão, o SUS apresenta muitas deficiências. A imprensa costuma mostrar com frequência hospitais lotados, com pacientes espalhados pelos corredores, e a dificuldade para conseguir a marcação de consultas e exames. Entretanto, o sistema é muito mais do que isso. Começa no atendimento a casos de urgência e emergência, por meio do Samu, e chega até procedimentos de alta complexidade, como cirurgias, transplantes, tratamento de câncer e de Aids. A pandemia do novo coronavírus só fez confirmar a força e importância do SUS, que atende cerca de 70% da população brasileira. Com certeza um dos principais problemas do sistema é o subfinanciamento. Os recursos atuais são insuficientes. Além disso, a política de aprofundamento de cortes dos gastos sociais ameaça descaracterizar definitivamente o sistema público de saúde. O SUS deve ser visto como um patrimônio nacional. Espera-se que o sistema saia fortalecido dessa batalha e que o poder público, tanto o Executivo quanto o Legislativo, comece a buscar soluções para os principais problemas do nosso fantástico sistema de saúde.

Mais matérias
desta edição