app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 0
Opinião

Abra suas janelas

PAULO SÉRGIO MOREIRA * Às vezes, penso no quanto as palavras são importantes e necessárias na vida humana. Fico lembrando como os pais, por exemplo, buscam palavras diárias para cuidar e orientar seus filhos, encaminhando-os para a dureza do cotidiano.

Por | Edição do dia 13/02/2004 - Matéria atualizada em 13/02/2004 às 00h00

PAULO SÉRGIO MOREIRA * Às vezes, penso no quanto as palavras são importantes e necessárias na vida humana. Fico lembrando como os pais, por exemplo, buscam palavras diárias para cuidar e orientar seus filhos, encaminhando-os para a dureza do cotidiano. Quando os filhos são bebês, temos receio de pegá-los no colo, de tão frágeis que parecem. Quando quebram o braço na infância, fica aquele sentimento de incapacidade de interferir, de ter evitado o sofrimento físico. Até certa manhã qualquer, os filhos ainda eram adolescentes. Quando vão se tornando adultos, a única coisa que aumenta de velocidade é o tempo, que sempre dá algo em troca: a experiência. Olho minha filha, no esplendor dos seus doze anos, e ofereço-lhe palavras de incentivo. Digo-lhe para que nunca tenha medo de viver. Sei que ela vive num mundo em que alguns de seus líderes se comportam como crianças, que desconhecem o sentido e o resultado do perigo e da maldade. Num mundo onde a principal imagem que invade os lares é a do terror, a incerteza da vida é algo necessário e até compreensível. Quero que ela ame o trabalho que desenvolverá um dia, dedicando-se inteiramente a tudo o que fará. Agindo assim, não colecionará derrotas nem acumulará decepções e frustrações. A dedicação e a fé no trabalho serão garantias de que sua vida passará alegre e feliz e que, nada nem ninguém, conseguirá lhe tirar o prazer do bem viver. Sempre a oriento para que conduza a vida enxergando as coisas grandes e, sobretudo, vendo as pequenas, e que mantenha seu sorriso lindo e brilhante nos lábios. E que nunca se esqueça de que enquanto as pessoas riem, não estão se matando umas às outras. Olho novamente para ela e fico pensando como será sua vida, daqui a pouco, enfrentando as dores e a estupidez do mundo. Ensino-lhe a ser corajosa e a levar a vida de forma criadora; a deixar a serenidade do seu conforto e entrar no deserto da sua intuição. Tenho certeza de que ela irá aprender que só conseguirá alcançar o sucesso através do trabalho intenso e cheio de riscos e também com dúvidas acerca daquilo que estará realizando. Agindo assim, o que descobrir será maravilhoso. O que descobrir será ela mesma, na sua melhor definição... Faço, diariamente, meu pedido a Deus, para que ela nunca se acomode e busque sempre adquirir o hábito de olhar para as janelas que a vida oferece. São janelas para a conquista e para o deslumbramento das maravilhas da existência humana, repleta das marcas de momentos inesquecíveis. Que ela consiga abrir suas janelas e limpe-as, de vez em quando. Se não fizer isso, a luz não poderá entrar e inundar sua vida com os raios calorosos da felicidade. (*) É ESCRITOR E CIRURGIÃO-DENTISTA

Mais matérias
desta edição