app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 0
Opinião

SEM SINAIS DE TRÉGUA

.

Por Editorial | Edição do dia 28/05/2021 - Matéria atualizada em 28/05/2021 às 04h00

Em seu mais recente boletim sobre a Covid, a Fiocruz alerta para um quadro crítico em relação ao número de casos e de internamentos. Segundo a instituição, o número de mortes se estabilizou, mas num patamar muito elevado. Além disso, os pesquisadores chamam a atenção para o rejuvenescimento a pandemia. Atualmente, mais de 50% dos internados têm menos de 60 anos de idade.

A maior cobertura de vacinação entre os idosos e o relaxamento dos jovens em relação à doença estão entre os motivos para essa mudança de perfil. Nem sempre o problema são as festas clandestinas. Em muitos casos, os pacientes são pessoas que precisam sair, trabalhar e acabam se contaminando nesse deslocamento. Em Alagoas, o quadro não é diferente. Há três, o governo do Estado havia anunciado a manutenção das medidas em vigor, mas, diante do quadro de aumento da ocupação de leitos, foi obrigado a recuar e adotar novas restrições. É possível até que venham medidas mais duras nos próximos dias, caso a situação permaneça preocupante. Pelo menos três grandes indicadores apontam para o surgimento de uma terceira onda de Covid-19 no Brasil. A média móvel diária de casos sobe com consistência há semanas, sete estados já estão com taxas de ocupação de leitos de UTI acima de 90% e a taxa de contágio superou o teto de 1 pela primeira vez em dois meses nas cinco regiões do país. Outro dado significativo é que pela primeira vez desde o início da pandemia a mediana de idade nas internações está abaixo dos 60 anos. Outro dado que mostra uma possível terceira onda de Covid-19 já apontando no horizonte é a taxa de contágio, conhecida como (Rt). De acordo com reportagem do portal UOL, em todas as regiões do país ela superou nesta terça-feira (25) o índice 1, considerado o teto, após 57 dias. Para tentar minimizar um impacto ainda maior nos próximos dias, a Fiocruz ressalta os cuidados já conhecidos, como o uso de máscaras, de álcool em gel, além do respeito ao distanciamento social. É fundamental, porém, que haja, de forma coordenada, ações do poder público que promovam a consciência das pessoas.

Mais matérias
desta edição