app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 0
Opinião

Comunicação, agro e sustentabilidade

.

Por Gilkiane Cargnelutti – jornalista | Edição do dia 11/06/2021 - Matéria atualizada em 10/06/2021 às 22h04

A tramitação e aprovação de propostas legislativas, seja no âmbito federal ou estadual, frequentemente causam dúvida nos cidadãos.

Muitos assuntos, pela complexidade e importância que têm para o País, precisam ser debatidos e ter seu conteúdo traduzido de forma clara para que a sociedade compreenda seus efeitos e impactos. Em um Brasil de extremos, porém, muitas vezes o diálogo acaba prejudicado e os questionamentos surgem para estimular o conflito ideológico, e não de ideias. O novo licenciamento ambiental é um desses temas que gerou incertezas, mas que está sendo esclarecido através de informação e dados, afinal, esse também deve ser um dos compromissos dos profissionais da comunicação: mostrar quando uma medida oferece segurança jurídica e destrava grande parte dos investimentos. Além das obras de saneamento básico, de manutenção em estradas e portos, e de distribuição de energia elétrica com baixa tensão, algumas atividades agropecuárias também estão incluídas na proposta, porém, uma das exigências é que a propriedade deve ter firmado termo de compromisso para recompor vegetação suprimida ilegalmente. Precisamos esclarecer, ainda, que a ausência de licença para essas atividades não dispensa o processo de licenciamento para desmatamento de vegetação nativa ou uso de recursos hídricos. Na prática, o projeto simplifica procedimentos, protege o meio ambiente e os biomas brasileiros e trata de outras áreas que são essenciais para o desenvolvimento do nosso País. No agronegócio, temos que considerar que o Brasil é um gigante que produz o suficiente para alimentar cerca de 800 milhões de pessoas no mundo. Toda essa potência requer investimentos tanto na agricultura quanto em infraestrutura, melhorando a produção e a logística no transporte de grãos. Desburocratizar significa simplificar, não retroceder. O momento requer esforço para que o Brasil seja mais atrativo para os investidores. O agro está fazendo a sua parte para tornar nosso País mais moderno, competitivo e sustentável.

Mais matérias
desta edição