app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5712
Opinião

SAÚDE MENTAL .

.

Por Editorial | Edição do dia 11/01/2023 - Matéria atualizada em 11/01/2023 às 04h00

Há dez anos foi criada no Brasil a campanha Janeiro Branco, com o objetivo de chamar a atenção das pessoas, instituições e autoridades para as necessidades relacionadas à saúde mental e para o respeito à condição psicológica de cada um.

A escolha de janeiro foi uma estratégia para chamar a atenção, logo no começo do ano, para os motivos frustrantes de não ter conseguido cumprir alguma meta no ano finalizado. Sensações típicas de final de ano podem impactar decisões precipitadas e gerar preocupações e ansiedade excessiva por não saber lidar com certas situações. Segundo especialistas, ansiedade, desânimo, alteração no humor, problemas de sono são alguns dos sintomas indicando que está na hora de dar atenção à saúde mental. E muitas vezes, as pessoas não sabem como procurar ajuda. O tema é relevante e mais que oportuno. Segundo a Organização Mundial de Saúde, o Brasil é considerado o país mais ansioso do mundo e o quinto mais depressivo. Mesmo assim, parte dessas pessoas não possui assistência médica adequada quanto à saúde mental. A depressão é o mal do século XXI. A ansiedade afeta 18,6 milhões de brasileiros. De acordo com o Ministério da Saúde, a prevalência de depressão ao longo da vida no Brasil atinge mais de 30 milhões de brasileiros. Esse quadro se agravou ainda mais entre 2020 e 2021 devido à pandemia de coronavírus. Em muitos períodos o afastamento social imposto por quarentena e lockdown privou a população do convívio social e do trabalho. O assunto ganhou importância e preocupação internacional. Os desafios são grandes, em especial em relação à assistência, que ainda é deficitária, problema que compromete a reabilitação do paciente, em especial em instituições públicas. A falta de uma política séria e programas eficientes são os maiores desafios a serem ultrapassados. Aliado a isso, o preconceito ainda é outro grande entrave, e muitos deixam de procurar ajuda por medo. O ideal é que a saúde mental seja a preocupação central nas políticas públicas de saúde dos governos, das organizações de trabalho e nos setores de saúde privada.

Mais matérias
desta edição