app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5712
Opinião

INCENTIVO À CIÊNCIA .

.

Por Editorial | Edição do dia 17/02/2023 - Matéria atualizada em 17/02/2023 às 04h00

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) oficializou ontem o reajuste de 40% nas bolsas de pós-graduação. Ao anunciar os novos valores, ele afirmou que está proibido tratar como “gasto” o dinheiro investido na educação, na saúde e na ciência. Os valores das bolsas de pesquisa estavam congelados havia 10 anos.

O percentual de reajuste será de 40% para os alunos do mestrado e doutorado, de 27% para os pós-doutorandos e de 75% para a iniciação científica e docência da Capes e do CNPq. Ao longo de 2023, mais de 10 mil novas bolsas serão implementadas, ampliando nosso investimento na formação de mestres, doutores e doutoras, professores e professoras, pesquisadores e pesquisadoras e jovens cientistas. É fato que a ciência brasileira tem passado por um momento crítico, de precariedade na educação científica, de sucateamento de laboratórios. Desde 2015, o Brasil perdeu R$ 11 bilhões em verbas federais para os setores de ciência e tecnologia, o que equivale a uma redução de R$ 12 milhões por dia ou R$ 500 mil por hora. Ressalte-se que o País teve um desempenho exemplar na ciência e tecnologia nos últimos 20 anos, chegando a ter 3% da produção mundial de tecnologia e ciência, sendo líder ou vice em áreas importantes, como nas doenças tropicais. Com a redução de verbas, todo esse trabalho deixou de avançar. O resultado disso é o sucateamento dos centros de pesquisa e a fuga de estudantes. Hoje o Brasil tem um número baixo de cientistas. São 700 para cada um milhão de habitantes, muito abaixo da média dos países desenvolvidos. Um motivo seria o salário pouco atrativo: em média, um cientista brasileiro ganha R$ 3,6 mil. Países desenvolvidos têm, entre suas estratégias em momentos de crise, investir em ciência. No Brasil, infelizmente, dá-se o oposto. Atualmente, a riqueza de uma nação está associada ao volume de informação que ela é capaz de incorporar a seus produtos. Sem esse valor agregado, seremos apenas exportador de matéria-prima. Espera-se que o novo governo olhe de fato para essa área. O reajuste das bolsas é um sinal positivo.

Mais matérias
desta edição