app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5655
Opinião

Futuro da advocacia: tendências e benefícios da Inteligência Artificia

.

Por Daniel Parra - CEO da Intelligenti, empresa do Grupo Stefanini | Edição do dia 07/09/2023 - Matéria atualizada em 07/09/2023 às 04h00

Papelada, processos e uma série de formalidades. Essa era a visão que até então estava atrelada ao ramo do direito. Porém, muita coisa mudou e as pedidas da vez são termos como Advocacia 5.0, Automação e Inteligência Artificial.

Mais do que trazer inovação, esses itens apresentam para a vida dos departamentos jurídicos mais praticidade, redução de custos, melhora na produtividade e resultados rentáveis.

Quando se fala da aplicação da tecnologia, a Inteligência Artificial (IA) é uma das protagonistas, já que aprimora a eficiência e oferece um leque de possibilidades para simplificar o dia a dia agitado dos departamentos jurídicos. Trata-se, portanto, de uma aliada. Por meio de algoritmos avançados, a tecnologia pode ajudar na análise de casos, prever resultados processuais, realizar pesquisa jurídica e até mesmo apoiar na redação de uma peça.

Vale destacar aqui que os sistemas baseados em IA são capazes de analisar grandes quantidades de jurisprudência, doutrina, contratos, dentre outros documentos. Tudo com muita rapidez e, melhor, com precisão.

Além disso, a IA pode ser aplicada para automatizar tarefas tediosas e repetitivas. A redação de documentos padronizados, como contratos e petições, pode ser feita por IA, o que poupa um tempo enorme e evita erros humanos. A automação ainda permite que os profissionais da área voltem a atenção para questões mais estratégicas e complexas, ampliando a eficiência e a qualidade do trabalho.

O conceito de Robotic Process Automation (RPA) vem sendo utilizado cada vez mais no setor jurídico. Embora seu conceito tenha semelhanças com a IA, as aplicações e funcionalidades têm diferenças significativas. A principal reside na natureza das tarefas realizadas por essas tecnologias. Enquanto o RPA é mais adequado para automatizar processos repetitivos e estruturados, a IA envolve sistemas mais complexos que aprendem, processam e tomam decisões com base nas informações podendo, inclusive, lidar com problemas mais amplos e não estruturados.

Na prática, trata-se de uma tecnologia que consegue coletar dados sobre o andamento de casos, atualizações judiciais e prazos processuais, fornecendo aos advogados uma visão ampliada e atualizada de seus processos em tempo real. Também combina o uso do recurso à jurimetria e plataformas tecnológicas setoriais, o que auxilia nas tarefas da área, tais como contratos, procurações, petições etc.

Embora ainda em estágios iniciais, outras evoluções para o setor jurídico são a Realidade Virtual (VR) e a Realidade Aumentada (AR). Ambas possuem o potencial de transformar a forma com que os advogados apresentam evidências e conduzem apresentações em tribunais, construindo ambientes virtuais que recriam cenas de crimes ou acidentes. Isso significa permitir uma visão imersiva do evento em questão ao júri.

Com a utilização cada vez maior dessas novas tecnologias, o setor jurídico – antes visto como burocrático e repleto de papelada – se transforma de maneira significativa, gerando uma verdadeira revolução no campo do direito. Com novas oportunidades, o departamento jurídico alça voos ainda maiores: os da inovação, da excelência e do sucesso.

Mais matérias
desta edição