app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5655
Opinião

SEM HORIZONTES .

.

Por Editorial | Edição do dia 07/12/2023 - Matéria atualizada em 07/12/2023 às 04h00

No Brasil, um em cada cinco jovens de 15 a 29 anos não estuda nem trabalha. Esse grupo, chamado de "nem-nem", representa um problema social grave, com consequências negativas para o indivíduo, para a família e para a sociedade como um todo.

Os jovens que não estudam nem trabalham estão em situação de vulnerabilidade social. Eles têm maiores chances de viver na pobreza, de sofrer de problemas de saúde mental e de se envolver em atividades criminosas. Além disso, têm menor probabilidade de conseguir um emprego de qualidade no futuro.

O desemprego entre os jovens é um dos principais fatores que contribuem para o fenômeno dos nem-nem. No Brasil, a taxa de desemprego entre os jovens de 18 a 24 anos é de 27%, o que é muito superior à taxa geral de desemprego, de 10,5%.

Outros fatores que contribuem para o fenômeno dos nem-nem são a falta de acesso à educação de qualidade, a desigualdade social e as dificuldades de inclusão no mercado de trabalho.

Para combater o problema dos nem-nem, é necessário investir na educação, na geração de empregos e na inclusão social dos jovens. No campo da educação, é preciso garantir que todos os jovens tenham acesso a uma educação de qualidade, desde a educação básica até a educação superior. É também importante investir na formação profissional dos jovens, para que eles tenham as habilidades necessárias para o mercado de trabalho.

No campo da geração de empregos, é preciso criar políticas públicas que promovam a geração de empregos de qualidade para os jovens. Essas políticas devem levar em conta as necessidades específicas dos jovens, como a flexibilidade de horários e a possibilidade de conciliar o trabalho com os estudos.

No campo da inclusão social, é preciso combater a desigualdade social e promover políticas públicas que ajudem a inclusão dos jovens no mercado de trabalho. Essas políticas devem incluir ações de combate ao preconceito e à discriminação, bem como ações de apoio aos jovens que enfrentam dificuldades de acesso ao mercado de trabalho.

Mais matérias
desta edição