app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5655
Opinião

MAIS OPORTUNIDADES .

.

Por Editorial | Edição do dia 19/12/2023 - Matéria atualizada em 19/12/2023 às 04h00

O governo federal pretende inaugurar, até 2026, mais 100 campi dos institutos federais (IFs) no País. Os detalhes do plano de expansão ainda serão definidos, mas a ampliação já é comemorada tanto pela rede de institutos federais quanto pelos estudantes. Os IFs são instituições especializadas na educação profissional e tecnológica, oferecendo também educação básica e superior.

Atualmente, a rede federal conta com 38 institutos federais, dois centros federais de Educação Tecnológica (Cefets) e o Colégio Pedro II, além de escolas técnicas ligadas a universidades federais, com 1,5 milhão de estudantes matriculados.

A medida, sem dúvida, é importante. Já faz tempo que o ensino superior deixou de ser o único caminho para o desenvolvimento de uma nova carreira. Hoje, os cursos técnicos qualificam os estudantes em diversas habilidades técnicas, acadêmicas e de empregabilidade.

Com um período menor do que um curso superior, porém apresentando um conteúdo e prática voltados diretamente para o mercado de trabalho, essa modalidade ganhou espaço entre os alunos que buscam uma carreira profissional, mas não querem esperar tanto tempo para começar a trabalhar.

O ensino técnico é importante por diversos motivos. Em primeiro lugar, oferece aos jovens uma formação profissionalizante que os prepara para o mercado de trabalho. Também pode contribuir para a redução da desigualdade social, pois abre oportunidades para jovens de baixa renda, e para o desenvolvimento econômico do País, com a formação de profissionais qualificados.

Em comparação com outros países desenvolvidos, o Brasil ainda está atrás no que diz respeito ao acesso a essa modalidade de ensino. Segundo dados da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), a média de matrículas em cursos técnicos no ensino médio é de 40% nos países da OCDE, enquanto por aqui não passa de 11%.

No mundo atual, ensino e formação profissional se tornaram cada vez mais importantes para dotar os alunos de uma combinação dessas competências, facilitando a transição da escola para o trabalho.

Mais matérias
desta edição