app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5655
Opinião

RETOMADA .

.

Por Editorial | Edição do dia 20/12/2023 - Matéria atualizada em 20/12/2023 às 04h00

Balanço divulgado ontem pelo Ministério da Saúde aponta para o início do processo de reversão da tendência de queda das coberturas vacinais no País, que ocorre desde 2016. Segundo o MS, em 2023 o Brasil aumentou a cobertura de oito vacinas recomendadas para crianças com um ano de idade e subiu em um terço o número de municípios que alcançaram 95% da meta de imunização infantil.

Os dados referem-se às doses aplicadas de janeiro a outubro deste ano, em comparação ao mesmo período de 2022, e representam o resultado do Movimento Nacional pela Vacinação, lançado em fevereiro para retomar a imunização e combater notícias falsas sobre as vacinas.

O Brasil tem um dos mais bem-sucedidos programas de vacinação do mundo, que começou a ser posto em prática há meio século. Desde então, o acréscimo de novas vacinas e o aumento das coberturas permitiram a erradicação da poliomielite, da síndrome da rubéola congênita e do tétano materno e neonatal.

Até 2015, o percentual de pessoas protegidas pelas vacinas atingia as metas de 90% do público-alvo para cada imunizante. Entretanto, nos últimos anos os patamares de imunização voltaram ao nível da década de 1980. Para os pesquisadores, foi esse retrocesso que causou o retorno do sarampo ao País, depois de a doença ter sido declarada erradicada em 2016 e ter voltado a circular em 2018.

A queda na cobertura vacinal tem como uma de suas principais causas a desinformação. Verifica-se o crescimento dos grupos antivacinas, que propagam, principalmente pelas redes sociais, notícias falsas, como efeitos colaterais inexistentes.

Para especialistas, é preciso investir em comunicação de massa, de apelo popular e fácil compreensão, adaptadas a cada grupo social e regiões, para restaurar a confiança nas vacinas, abalada pela disseminação de desinformação..

Para isso, é necessário lançar mão de diversas estratégias, entre elas parcerias com líderes comunitários e influenciadores, que atingem um grande público. A população precisa ser lembrada constantemente dos benefícios e do risco de não se vacinar.

Mais matérias
desta edição