app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5710
Opinião

Drogas na escola

“As drogas e a violência nunca  estiveram tão perto da escola como agora”, declarou Teresa Leitão, coordenadora de uma pesquisa sobre a rotina de 2.351 escolas públicas e particulares de 4a e 8a séries do ensino fundamental e do 3o ano do ensino médio de

Por | Edição do dia 11/05/2002 - Matéria atualizada em 11/05/2002 às 00h00

“As drogas e a violência nunca  estiveram tão perto da escola como agora”, declarou Teresa Leitão, coordenadora de uma pesquisa sobre a rotina de 2.351 escolas públicas e particulares de 4a e 8a séries do ensino fundamental e do 3o ano do ensino médio de todo o País. Ela baseou-se no próprio estudo, cujos dados foram divulgados nesta semana através do Jornal do Brasil. Através dele, foi constatado que 46,9% das agressões físicas e 71,2% das agressões verbais praticadas dentro e fora das salas de aula estão relacionadas a entorpecentes. E também o consumo de drogas já atingindo 32% e o tráfico 21,7% dos nossos estabelecimentos de ensino. O Rio Grande do Sul, Ceará, Paraíba e Pará estão destacados no ranking dos Estados onde o consumo ocasional de drogas dentro das escolas é maior. Os seus índices ficam entre 30% e 40% enquanto contra 20% no Rio e em Minas Gerais. Antes desta oportuníssima pesquisa da CNTE, que reúne 29 sindicatos dos professores e outros funcionários do setor educacional espalhados pelo País, o consumo e o tráfico de drogas eram apontados entre as principais causas do aumento da violência que vem atingindo a população jovem. Elas são inúmeras. Inclusive, as que têm contribuído para o aumento das drogas nas escolas e foram constatadas pelos pesquisadores da CNTE. Eles concluíram que fumar maconha ou consumir estimulantes químicos “quase sempre serve como fuga para compensar problemas com a família. E também como uma forma de os jovens e adolescentes atingirem alguma aceitação social no meio em que vivem”. A partir destes novos dados sobre a questão das drogas, toda a sociedade tem mais motivos para aumentar as suas preocupações. E exigir de seus dirigentes, bem como de seus representantes nas casas legislativas e das autoridades ligadas aos demais poderes, o reforço dos investimentos na área social, o aperfeiçoamento das leis e a sua efetiva aplicação. Os próprios pesquisadores, conforme consta da matéria com os dados do trabalho da CNTE, cobram dos poder público políticas mais agressivas no combate ao vício.

Mais matérias
desta edição