app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5731
Opinião

Mata-mosquitos - Editorial

Oficialmente, o verão está instalado desde anteontem. Para os nordestinos é quase imperceptível o momento certo onde começa e quando termina a estação, afinal sol e calor aqui são companhias certas o ano todo. Sabe-se que chuvas mais persistentes caem em

Por | Edição do dia 23/12/2005 - Matéria atualizada em 23/12/2005 às 00h00

Oficialmente, o verão está instalado desde anteontem. Para os nordestinos é quase imperceptível o momento certo onde começa e quando termina a estação, afinal sol e calor aqui são companhias certas o ano todo. Sabe-se que chuvas mais persistentes caem em meados do junho, e ali se marca o inverno de cartório passado. Sabemos na pele que dezembro e janeiro são quentes além da conta, e que no meio desse calorão nunca deixa de cair uma chuva (isso no Litoral ou na Zona da Mata, porque no Sertão...) aqui ou ali, e trovoadas podem ser esperadas. Calor e água limpa são os ingredientes certos para a reprodução em massa de insetos como os mosquitos, e dentre estes, os identificados como Aedes aegypti têm seus momentos de multiplicação mais abundantes. Isso todo estudante do nível elementar deveria saber como se sabe o ABC, assim como ninguém deveria desconhecer que esse pernilongo é o transmissor da dengue, e que ela – em sua forma hemorrágica – pode matar. Elementar lição de casa que tem de ser cobrada de sol a sol. Desde ontem, os carros fumacê estão aspergindo uma substância fatal ao Aedes aegypti pelas ruas de Maceió. Medida elogiável, mas não suficiente para se reduzir o risco da dengue às proximidades do zero. Antes e depois da fumaça espalhada pelas caminhonetes da Secretaria da Saúde, é indispensável um trabalho cotidiano de educação, lembrando medidas elementares de combate ao mosquito. Da mesma forma, é necessária ampliação das tropas de mata-mosquitos e apoio ao seu trabalho, de forma que não fique lugar incólume às investidas desses salvaguardadores da saúde pública. Que não venha a ser um sonho de uma noite de verão a batalha dos agentes de saúde contra a dengue e a tantas outras mazelas desse tempo. Que a saúde pública siga merecendo todas as atenções em todas as estações do ano.

Mais matérias
desta edição