app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5735
Opinião

�gua e irresponsabilidade social

| Jorge Briseno * Atualmente, qualquer empresa, seja qual for o seu ramo de atividades, procura trabalhar com ênfase em novos valores e princípios como honestidade, transparência, ética nas relações com seus concorrentes, colaboradores e fornecedores, re

Por | Edição do dia 28/01/2006 - Matéria atualizada em 28/01/2006 às 00h00

| Jorge Briseno * Atualmente, qualquer empresa, seja qual for o seu ramo de atividades, procura trabalhar com ênfase em novos valores e princípios como honestidade, transparência, ética nas relações com seus concorrentes, colaboradores e fornecedores, respeito ao ser humano e ao meio ambiente e à diversidade cultural. Procura agir dessa forma porque os consumidores e clientes estão cada vez mais exigentes e atentos ao comportamento das organizações. Em países europeus, o nível de conscientização atingiu um nível a ponto de rejeitarem produtos de empresas que, em seu processo produtivo, agridem o ambiente, utilizam de mão de obra infantil ou adotam um comportamento inadequado e fora dos padrões éticos com seus concorrentes ou comunidade. Portanto, a maneira como uma determinada organização utiliza-se da água (um bem público, escasso e dotado de valor econômico) que lhe é fornecida, é um indicador do seu grau de responsabilidade social e de compromisso com a comunidade em que está inserida. Ora, por exemplo, se uma pizzaria na zona nobre de Maceió, cujo armazém encontra-se cheio de “gatos”, ou um restaurante, também na zona nobre, cuja culinária nos deixa com água no canto da boca, se utilizam do famoso desvio ou de artifícios para mascarar o seu consumo real da água utilizada, os mesmos passam a ser irresponsáveis sociais. A água desviada ou utilizada de forma inadequada irá prejudicar outros usuários que cumprem com a sua obrigação de pagar pelo serviço. É com a arrecadação de regiões mais abastadas que a Casal, uma empresa pública, sustenta a operação e manutenção de sistemas de abastecimento de água em regiões pobres, como favelas ou povoados do semi-árido alagoano, que não possuem outra alternativa de abastecimento. Devemos seguir o exemplo dos europeus. O melhor remédio para enfrentar empresas socialmente irresponsáveis é o boicote. Estamos, na CASAL, construindo um movimento interessante. Não aceitaremos gastar nossos recursos em restaurantes que tenham “GATO”. Seremos consumidores responsáveis. Solicitaremos aos nossos amigos, familiares e prestadores de serviços só freqüentarem bares e restaurantes que tenham uma atitude responsável para com a água. A lista dos socialmente irresponsáveis será anexada aos contra-cheques dos funcionários da nossa empresa e será amplamente divulgada no nosso informativo lido pelos funcionários da Casal, Ceal, Chesf e Saae, integrantes do Sindicato dos Urbanitários. (*) É Engenheiro e presidente da Casal.

Mais matérias
desta edição