app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5732
Opinião

O carnaval e suas origens

| Lysette Lyra * Alguns dizem que o carnaval teve início há seis mil anos atrás, com os rituais que celebravam a fertilidade e a colheita das lavouras às margens do Nilo, em homenagem a deusa Isis do antigo Egito. Outros afirmam que ele se originou das S

Por | Edição do dia 22/02/2006 - Matéria atualizada em 22/02/2006 às 00h00

| Lysette Lyra * Alguns dizem que o carnaval teve início há seis mil anos atrás, com os rituais que celebravam a fertilidade e a colheita das lavouras às margens do Nilo, em homenagem a deusa Isis do antigo Egito. Outros afirmam que ele se originou das Saturnais e Bacanais romanas, festas em honra aos deuses pagãos, Saturno e Baco. Eram de tamanha importância que as escolas e os tribunais fechavam as portas e o povo saia a dançar nas ruas. Carros semelhantes a navios levavam, pelas avenidas, jovens despidos. Pelo seu formato eram chamados carrum navalis, de onde surgiu a expressão carnevale. A bebida e o sexo faziam parte dos rituais. Nessa ocasião eram permitidas a sátira e a crítica ao governo. As civilizações cristãs e judaicas condenavam esses festejos pecaminosos, mas no século XV, o Papa Paulo II admitiu a realização dos bailes de máscaras, sendo, porém, proibidas as manifestações sexuais. Os festejos adquiriram as formas de corridas, fantasias, desfiles alegóricos e deboches, numa celebração ordeira. Veneza destacou-se nos carnavais europeus e até hoje são famosas as suas festas momescas. No Brasil, o carnaval foi trazido pelos portugueses, por volta do século XVII, em forma do entrudo que acontecia antes da quaresma, em Portugal. Era hábito as pessoas jogarem, uma nas outras, água, ovos e farinha. O carnaval em nosso País foi, porém, mais influenciado pelas festas que aconteciam na França e Itália, ocorrendo em forma de desfiles urbanos, onde os carnavalescos usavam máscaras e fantasias. No final do século XIX surgiram os blocos, os cordões e os famosos “corsos” em que os indivíduos enfeitavam os carros, se fantasiavam e faziam verdadeiras batalhas de serpentinas e confetis, ao som das animadas marchinhas carnavalescas. A primeira Escola de samba surgiu no Rio de Janeiro e chamava-se Deixa Falar, criada por Ismael Silva. Depois passou a chamar-se Estácio de Sá. Aos poucos foram aparecendo outras escolas e começaram a instituir prêmios para as que se apresentavam melhor. Vários itens eram exigidos para merecê-los. Atualmente as escolas de samba se transformaram na maior e mais bela apoteose popular do mundo, atraindo milhares de turistas. O carnaval, aos poucos, foi perdendo aquele encanto de antigamente. Hoje os governos municipais vêm procurando resgatar a animação e a beleza dos antigos carnavais, promovendo bailes à fantasia, mas estão longe de reproduzir a beleza e a euforia que o tempo levou. Os axés, músicas baianas, substituíram as inocentes marchinhas e os sambas nos blocos. (*) É escritora.

Mais matérias
desta edição