app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5729
Opinião

Celas abertas? - Editorial

Quando toda a sociedade clama para que os bandidos sejam impelidos das ruas à carceragem, qualquer notícia que sugira uma contra-mão neste caminho causa apreensão. Há um antecedente assustador, pois, há pouco tempo, detentos do estado de Minas Gerais fora

Por | Edição do dia 25/02/2006 - Matéria atualizada em 25/02/2006 às 00h00

Quando toda a sociedade clama para que os bandidos sejam impelidos das ruas à carceragem, qualquer notícia que sugira uma contra-mão neste caminho causa apreensão. Há um antecedente assustador, pois, há pouco tempo, detentos do estado de Minas Gerais foram devolvidos à liberdade pelo simples motivo de as celas estarem inóspitas e superpovoadas. Atemorizada pelo enxame de bandidos, cada dia mais vorazes, a população de todo o Brasil (e de Alagoas em particular) tem suas razões para se assustar com qualquer perspectiva de estar exposta, além das gangues à solta, a presídios nos quais os detentos estariam literalmente saindo pelo portão. Já são demais os facínoras circulando em todas as cidades - é demais ter esse plantel acrescido por indivíduos que deveriam estar hospedados no sistema prisional. Não se pode negar, a quem já cumpriu sua pena, o direito de ser reincorporado à sociedadede. Quem pagou por seus erros deve ser libertado de acordo com a lei. Mas o que assombra é a suposição de que pessoas de comprovada periculosidade estejam sendo beneficiadas não porque mereçam a liberdade, mas porque o aparelho de Estado é incapaz de manter um bandido afastado da sociedade. Os recentes conflitos entre juízes acerca da propriedade do aprisionamento de acusados dos mais variados crimes é mais um fator de insegurança para a comunidade alagoana. No campo da Justiça e da segurança pública, qualquer desentendimento entre autoridades competentes é prejuízo certo para a sociedade. Para quem está disposto a seguir a senda da ilegalidade, a detenção tem se constituído numa forma de aperfeiçoamento das piores qualidades. Liberar quem ainda está em débito para com a sociedade é liberar o perigo. Sem demora, que sejam esclarecidas as divergências entre as autoridades e que aos bandidos seja assegurado o direito à prisão.

Mais matérias
desta edição