app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5731
Opinião

Esperan�as - Editorial

Justiça seja feita: a polícia alagoana é merecedora de parabéns pela eficiência em pelo menos três ocorrências de destaque na mídia nos últimos dias. Em dois desses casos, a ação policial frustrou a consecução dos delitos – o que é o mais importante. Nout

Por | Edição do dia 30/03/2006 - Matéria atualizada em 30/03/2006 às 00h00

Justiça seja feita: a polícia alagoana é merecedora de parabéns pela eficiência em pelo menos três ocorrências de destaque na mídia nos últimos dias. Em dois desses casos, a ação policial frustrou a consecução dos delitos – o que é o mais importante. Noutro caso, equacionou um crime de morte e foi até o fundo das investigações identificando bandidos travestidos de policiais. Resultados como esses são repostas positivas aos anseios da sociedade por uma melhor performance dos órgãos responsáveis pela segurança pública. Oxalá o caminhar continue nesse passo e nesse mesmo sentido. Será pura ingenuidade supor que os problemas de segurança pública estão resolvidos e, daqui para adiante, como num passe de mágica, o time da polícia ganhará todas as partidas contra o time dos bandidos. A realidade ainda continua dramática e num curso desfavorável para a esmagadora maioria sociedade. Um conjunto complexo de razões ainda impulsiona a formação permanente de novos bandidos e, ao mesmo tempo, estimula a organização e sofisticação dos bandos de fora-da-lei. Nessa intrincada teia que alimenta o crime e os criminosos destacam-se chagas sociais que ainda estão longe de serem sanadas, como o desemprego, precariedade educacional, péssimas condições de vida nos centros mais populosos (favelas e grotas infectas são verdadeiros ninhos de marginais), ineficiência do sistema prisional (verdadeira escola superior de criminalidade). Para um imenso número de brasileiros a desesperança para com o dia seguinte ainda é um dos principais estímulos para a opção pela senda do crime. Noutro lado da corda, puxam com força total os interesses do tráfico, das redes de receptadores e todos demais contratadores do trabalho criminoso. Ainda estamos em desvantagem, mas toda e qualquer vitória da polícia na luta contra o crime renova a esperança da cidadania.

Mais matérias
desta edição