app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5692
Opinião

Bem feito!

| Jorge Briseno * O presidente Lula tinha tudo para liquidar a fatura já no primeiro turno. Foi obrigado a disputar o segundo turno devido às lambanças dos, segundo ele próprio, aloprados do PT que promoveram o mais recente escândalo - da série quase int

Por | Edição do dia 09/11/2006 - Matéria atualizada em 09/11/2006 às 00h00

| Jorge Briseno * O presidente Lula tinha tudo para liquidar a fatura já no primeiro turno. Foi obrigado a disputar o segundo turno devido às lambanças dos, segundo ele próprio, aloprados do PT que promoveram o mais recente escândalo - da série quase interminável - da compra do dossiê fajuto. Pois bem, devido aos petistas aloprados, o presidente foi obrigado a se submeter, novamente, a toda pesada maratona de comícios, viagens, entrevistas e aos terríveis debates. Ao final, vitorioso, nada mais justo do que umas merecidas férias. O nosso presidente resolveu procurar as praias do litoral baiano para um regalo no feriadão da semana passada. A praia de Inema, área privativa da Marinha Brasileira, situada nas proximidades de Salvador, foi a escolhida. Lá, o presidente teria a vigilância dos atentos olhos dos nossos bravos “marines” para protegê-lo contra possíveis dissabores provocados por invasões de intrusos ou curiosos que poderiam perturbar seu merecido descanso. No entanto, uma invasão os nossos destemidos “marines” não puderam evitar. Foi a invasão do lixo e dos esgotos provenientes das favelas de São Tomé de Paribe, comunidade vizinha à praia de Inema, que vieram conspurcar o banho de mar presidencial. É muito bem feito! A condição das praias de Inema e de São José de Paribe retrata bem a caótica situação a que chegou o saneamento no Brasil, devido aos baixos índices de investimentos. Segundo estudos do governo federal, o setor saneamento necessita de R$ 9,0 bilhões anuais até o ano 2025. Isso equivale a uma taxa de investimento anual de 0,63% do PIB. Nos últimos dez anos, o investimento médio anual foi de apenas 0,25% do PIB. O melhor ano foi 1998, quando foram investidos 0,38% do PIB, sendo que, em 2003, o Governo Lula investiu apenas ridículos 0,16% do PIB. Resultado: hoje, dos 5.575 municípios, apenas 20% coletam e tratam o esgoto. Os 80% restantes estão distribuídos entre os municípios que apenas coletam e os que nem coletam nem tratam os seus esgotos. Em termos de volume, apenas 18% do total de esgotos produzidos no país recebem algum tipo de tratamento. Não mais se encontra, neste país, rio em cidades de médio e grande porte que não esteja comprometido, em seus trechos urbanos, pelo lançamento de esgotos sem tratamento. Uma vergonha nacional. Nesses próximos quatro anos, Lula deveria lembrar sempre da praia de Inema e retomar, com urgência, os investimentos em saneamento. (*) É engenheiro e presidente da Casal.

Mais matérias
desta edição