app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 0
Opinião

O maior milagre de Bras�lia

| Marcos Davi Melo * ‘Todos os povos têm desses fatos aos quais, para serem maravilhosos, só falta serem verdadeiros; com os quais tudo se demonstra, mas não se provam: os quais ninguém ousa negar sem passar por herege e nos quais ousa acreditar sem pass

Por | Edição do dia 23/12/2006 - Matéria atualizada em 23/12/2006 às 00h00

| Marcos Davi Melo * ‘Todos os povos têm desses fatos aos quais, para serem maravilhosos, só falta serem verdadeiros; com os quais tudo se demonstra, mas não se provam: os quais ninguém ousa negar sem passar por herege e nos quais ousa acreditar sem passar por imbecil”. É o pensamento de Diderot sobre os milagres, extraído de sua obra “Pensamentos Filosóficos”. Os milagres existem ou fazem parte dos acervos cultural e religioso, acentuados nesta época do ano? Sobre os milagres, Anatole France registrou em sua obra “O Jardim de Epicuro”: “Definem-nos o milagre: uma derrocada das leis da natureza. Não as conhecemos; como saberíamos que um fato as derroga?”. Hoje, este pensamento causaria polêmica, porque em alguns raros e imprevisíveis momentos, os serviços de metereologia até acertam as previsões do tempo. Creio que os milagres são o resultado final das crenças e convicções de cada um. Os Mirmidões, intrépidos soldados de Tróia, acreditavam em sua invulnerabilidade; logo, partiam para o combate na desproporção de um para cem adversários e ainda assim esperavam vencer o inimigo. Existe o quase milagre dos que acertam na sena e nunca mais precisam trabalhar. Há o quase milagre dos que nunca foram vítimas de assaltos e violência nas ruas das grandes cidades brasileiras. Há o quase milagre de sobreviver com o salário mínimo. Há o quase milagre do amor; puro e ingênuo, todavia ainda um sobrevivente démodé, no mundo globalizado das conquistas imediatas e passageiras, do sexo promíscuo e barato, das passadas de pernas entre os amantes. Os deputados e senadores, que queriam 91%, não se deram por satisfeitos com o reajuste de seus subsídios incorporando as perdas da inflação no período, o que na prática é a satanizada e condenada indexação. Os hospitais e médicos que trabalham para o SUS, sem reajustes há 10 anos, se tivessem um reajuste da metade da inflação deste período, comemorariam ao som das longínquas trombetas de Jericó e exortariam que isto seria um milagre semelhante aos maiores realizados na peregrinação do Nazareno. Unamuno em sua obra “Diário Íntimo”, exclama: “Tenho implorado ao Senhor pedindo-lhe um prodígio, um milagre indiscutível...”. Este milagre maior que me faria, em traseira de pau-de-arara, o mais fiel dos romeiros, não seria ver cair neve em Brasília no Natal, nem ver Lula transformar água em cachaça, mas fazer o Congresso Nacional agir com responsabilidade, sensibilidade e solidariedade. Este supremo milagre superaria todos os outros. (*) É médico e professor da UNCISAL.

Mais matérias
desta edição