app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5691
Opinião

Geografia da Fome

| Eduardo Bomfim * A fome é uma realidade demasiado gritante e extensa para ser tapada com uma peneira aos olhos do mundo. São palavras de Josué de Castro em seu livro Geografia da Fome. Verdadeiro libelo que completou sessenta anos em 2006. Josué de Ca

Por | Edição do dia 05/01/2007 - Matéria atualizada em 05/01/2007 às 00h00

| Eduardo Bomfim * A fome é uma realidade demasiado gritante e extensa para ser tapada com uma peneira aos olhos do mundo. São palavras de Josué de Castro em seu livro Geografia da Fome. Verdadeiro libelo que completou sessenta anos em 2006. Josué de Castro foi mais que um acadêmico. A sua intensa preocupação social levou-o à atividade política militante. Um engajamento que lhe custou intensa perseguição, o exílio, além do ódio implacável das superadas, conservadoras, reacionárias mesmo, elites agrárias da época. Apesar dessa intensa marcação ideológica e doutrinária, as idéias, os propósitos defendidos por Josué de Castro continuam vivos e pulsantes. Em 2004, a Segunda Conferência Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional, realizada em Pernambuco, homenageou o grande cientista. A Campanha Contra a Fome Pela Cidadania, idealizada pelo falecido Betinho inspirou-se no grande combatente contra as desigualdades sociais. Além disso, o programa Fome Zero, desenvolvido pelo atual governo Lula, referencia-se nas sentinelas teóricas e práticas plantadas por Josué de Castro. O grande médico, geógrafo, das bravas terras pernambucanas afirmou certa ocasião que fome e guerra não obedecem a qualquer lei natural, são criações humanas. Texto citado pelo atual presidente da República. Segundo nos indica o jornalista e amigo pernambucano, Marcelo Mário Melo, de cujo texto extraio várias e importantes considerações, esse gigante do humanismo e da luta por uma sociedade com autêntica justiça social que foi Josué de Castro, morreu de saudades, de banzo profundo, nas terras de França, à época do regime ditatorial. A grande verdade é que a fome continua grassando nos povos e nações que não fazem parte do seleto grupo dos países do primeiro mundo. Uma das causas principais dessa terrível praga que atinge também o nosso País e em particular o Nordeste brasileiro reside exatamente nas políticas impostas aos Estados nacionais pelos novos colonizadores do terceiro milênio e seus agregados nativos. Sem a emancipação nacional não existe emancipação social. A causa principal da pandemia que recria incessantemente milhões de famélicos, verdadeiros genocídios. Os culpados não são ao menos indiciados. A Geografia da Fome continua uma tragédia atual. A superação dos abismos sociais e da concentração da renda, imperiosa necessidade. (*) É advogado.

Mais matérias
desta edição