app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5655
Opinião

A habilidade indispensável de dizer ‘não’

.

Por Davi Lago. Escritor best-seller e professor | Edição do dia 02/01/2024 - Matéria atualizada em 02/01/2024 às 04h00

Alguns aspectos da nossa vida admitem respostas aproximadas e caminhos intermediários. Mas isso não se aplica à ansiedade. Jesus disse que nossa resposta diante das preocupações deve ser um “não” absoluto, sem concessões. Afinal, ansiedade é algo que devemos compreender e tratar com sabedoria, mas saber abandoná-la de modo definitivo quando se trata de preocupações maléficas, é necessário saber dizer em alto e bom som: “Não!.

A palavra “não” é um advérbio de negação, um dos termos mais básicos e concisos em qualquer idioma. Em português, é uma palavra monossilábica muito forte, apesar de tão pequena. Se aplicada com sabedoria, pode proibir a maldade, negar o que é falso e afastar o que é errado.
Podemos dizer “não” para expressar nossa oposição àquilo com o que não concordamos. É uma palavra tão poderosa que pode nos poupar sofrimentos desnecessários e promover a liberdade.

Algumas pessoas, no entanto, têm dificuldade de dizer “não”. Há ocasiões em que elas até têm uma resposta negativa na mente, mas acabam dizendo “sim” com a boca, pois procuram se adequar as supostas expectativas de terceiros.

Importante destacar que também há pessoas que têm dificuldade de ouvir “não”, porque acreditam que isso está associado necessariamente a opressão, dominação e autoritarismo. Esse, porém, é um erro elementar, muitas vezes, fruto da imaturidade e do julgamento precipitado.

Determinados “nãos” são para nosso próprio bem. O escritor G. K. Chesterton mostrou-se muito sábio ao afirmar: “Nunca remova uma cerca, sem antes entender por que ela foi colocada lá”. Algumas cercas servem, por exemplo, para impedir crianças de caírem em fossas.

Assim, quando o ser humano atravessa um “não” que é para seu próprio bem, pode se ferir fatalmente de modo desnecessário. Quem tem dificuldades de dizer e ouvir esta pequena palavra acaba vivendo de modo inseguro, frustrado, inquieto e ansioso.

Jesus, então, ensinou que ansiedade se combate com “nãos”. No entanto, os “nãos” de Jesus não são aleatórios, eles têm um propósito e estão alinhados a uma orientação específica: dizer “sim” para Deus. Não se trata, portanto, de um simples “não pelo não”, que exalta nosso orgulho, mas de um “não” com uma finalidade bem definida.

Mais matérias
desta edição