app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5655
Opinião

Unidos para sempre .

.

Por Alberto Rostand Lanverly – presidente da Academia Alagoana de Letras, cidadão brasileiro | Edição do dia 23/01/2024 - Matéria atualizada em 23/01/2024 às 04h00

As epístolas perderam sua utilidade nos tempos modernos, mas nunca seu glamour.... Recordo quando, ainda jovem, fui estudar fora de Maceió e, um belo dia, compareci ao cemitério da cidade onde residia.... Para minha surpresa, em uma das lápides vislumbrei imagem retratando dois esqueletos, de mãos dadas e sentados sobre o sarcófago. Inexistiam nomes de pessoas ou datas de qualquer espécie, somente a frase: “unidos para sempre”. Aquela visão me impressionou.

Imediatamente ao retornar para casa escrevi a meus pais, relatando o fato e lembro que questionei: quem teriam sido eles? Quais seriam seus nomes? João, Maria, Pedro ou Josefa...? Se ao menos estivessem vestidos... mas ali se encontravam somente os ossos, com os dizeres: “unidos para sempre”.

Dias depois, recebi a resposta, onde meu genitor assim escreveu: “a respeito de seus questionamentos sobre os mortos, já sem carne e somente costelas, crânio, etc., eu lhe digo terem sido eles, acima de tudo, sábios, pois, para estarem ainda sentados um ao lado do outro, demonstrando que nem a morte os separara, é porque viveram a vida sem buscar defeitos um no outro, para gerar uma situação tensa e negativa.”

Hoje, o tempo passou e meus cabelos cor de prata, me inspiram a certeza de que o segredo é seguir o ensinamento do poeta: “não correr atrás das borboletas... mas, sim, cuidar do jardim para tê-las vindo até mim”. Vejo as missivas, como jardins. Cultivando-as, escrevendo-as ou relendo-as, resta a certeza de que esta etapa, tão célere na vida de cada um, se chama presente e tem, somente, a duração do instante vivido.

E então, sempre incentivado por tais verdades, cansado dessa dolorosa comedia que o Brasil vivencia, convenço-me ser o descrédito, sentimento que torna a atual conjuntura inquietadora, cheia de angústia, estrelada de luzes negras, na qual o povo não confia na maioria de seus dirigentes. Que nesse 2024 a iniciar após o carnaval, todos procurem se fazer acompanhar da honradez, pois como tudo na vida, a política do cotidiano, sem decência é estéril e adormecedora. Só assim no futuro, teríamos a petulância de, em nossas lapides escrever: “unidos para sempre”.

Mais matérias
desta edição