app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5655
Opinião

Lembranças do carnaval .

.

Por Alberto Rostand Lanverly - presidente da Academia Alagoana de Letras | Edição do dia 06/02/2024 - Matéria atualizada em 06/02/2024 às 04h00

Recordo a época em que o Clube Fênix era por mim considerado como segundo lar. Ali convivi em uma comunidade coesa, sempre buscando preservar as tradições locais, principalmente em suas festas inesquecíveis, dentre elas o carnaval, que iniciava com as prévias acontecidas nas semanas anteriores, com as festas: baile de máscaras, havaiana, tricolor, preto e branco.

No período do Rei Momo, seu ginásio poliesportivo, transformava-se em grande palco de alegria, para onde as famílias acorriam nos quatro dias de folia.

Eram tempos em que a orquestra tocava sem parar, para animar os presentes, sempre ocupando mesas dispostas no entorno da quadra de esportes, tendo como vizinhos as mesmas pessoas dos anos anteriores. Tudo parecia ser um enorme clã e a diversão aumentava quando o teor alcoólico influenciava a cabeça de alguns.

Uma das mais encantadoras tradições da época, era o footing, que acrescentava toque especial à festividade, pois consistia em passeio ao redor do salão, onde os foliões abraçados ombro a ombro, dançando brevemente com diferentes parceiros, não somente apresentavam suas fantasias, até enlouquecerem mesmo, ao som do frevo “vassourinhas”, uma das belas melodias da história da música e verdadeiro hino do carnaval.

Nos carnavais fenianos, o charme envolvente do lança-perfume, era não somente único, como permeava o ambiente, enchendo o ar com fragrâncias vibrantes. Era como se cada spray carregasse consigo a promessa de momentos festivos e lembranças inesquecíveis, tornando essa tradição elemento marcante e encantador das celebrações carnavalescas do passado.

Os desfiles a fantasia, eram verdadeiros espetáculos de criatividade. Em blocos ou individualmente, muitos lá chegavam vestindo trajes deslumbrantes ou temáticos que refletiam a imaginação exuberante de quem as criava. Eu mesmo caracterizei-me como Guilherme Tell, gari da prefeitura e até uma vassoura.

Se recordar épocas de ouro, traz a lume sentimentos até certo ponto nostálgicos, levando-nos a relembrar momentos especiais, tais memórias contribuem para a riqueza da experiência de vida, certamente transformando-se em fonte de inspiração no presente.

Mais matérias
desta edição