app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 0
Opinião

Construtores de Alagoas XXXIV .

.

Por Laurentino Veiga – ex-professor do Cesmac | Edição do dia 02/04/2024 - Matéria atualizada em 02/04/2024 às 04h00

“Tenho uma filosofia e prática de vida que nesta passagem do ser humano pela terra, nós devemos ser útil as pessoas fazendo o exercício diário de prestar favores aos outros, sem visar nenhum retorno, ou seja, praticar o bem o máximo possível principalmente aos pobres e oprimidos.” O Economista Celso Freitas Cavalcanti, nascido em Maceió, no dia 03 de março de 1942. Graduou-se em Ciências Econômicas pela Universidade de Brasília (1967). Extensão: Economia Política Brasileira e Internacional pela UNb; Populorum Progressio e a Realidade Brasileira - IPERB - Câmara dos Deputados (1967).

Especializou-se em Análise de Estrutura Econômica, Centro Unificado de Brasília (CEUB) e Centro de Estudos e Planejamento Econômico e Social (CEPES), patrocinado pelo Conselho Regional de Economistas Profissionais, 11ª Região, Brasília (1971). Integrou o Comitê Diretor do Secretariado Internacional das Instituições Superiores de Controle das Finanças Públicas, como Assessor de Representação Brasileira, Viena, Áustria (1967); participou das Primeira, Segunda e Terceira Semanas de Relações Públicas, promovidas pela Associação Brasileira de Relações Públicas, sessão Regional do Distrito Federal, (1976, 1977, 1978).

Foi Oficial Legislativo do Senado Federal por concurso, tendo desempenhado as funções de Assessor da Mesa Diretora, Economista da Companhia de Desenvolvimento do Planalto (CODEPLAN), Analista de Finanças e Controle Externo e Assessor de Ministro do Quadro Permanente da Secretaria Geral do Tribunal de Contas da União, Presidente da extinta CODEAL (1988 a 1989), Diretor de Recursos Humanos do Banco do Brasil (1990-92), Diretor de Serviços de Telecomunicações - TELASA (06.03.96). Pelos relevantes serviços prestados às Alagoas, fora recipendiário da Comenda do Mérito Militar, do Superior Tribunal Militar (1983), bem como do Mérito Brasília, do Governo Federal (1991). Homem público probo, educado para às pessoas, inteligente e dedicado.

Mais matérias
desta edição