app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5750
Polícia

PM refor�a seguran�a do BN em Uni�o para evitar invas�o

Sucursal União dos Palmares – Mais de dez homens do 2º Batalhão de Polícia Militar (2º BPM), entre eles, uma guarnição do Pelotão de Operações Especiais (Pelopes), reforçaram, ontem pela manhã, a segurança à porta da agência do Banco do Nordeste (BN), n

Por | Edição do dia 12/09/2002 - Matéria atualizada em 12/09/2002 às 00h00

Sucursal União dos Palmares – Mais de dez homens do 2º Batalhão de Polícia Militar (2º BPM), entre eles, uma guarnição do Pelotão de Operações Especiais (Pelopes), reforçaram, ontem pela manhã, a segurança à porta da agência do Banco do Nordeste (BN), na Praça Antenor Uchôa, em União dos Palmares. A gerência temia uma invasão do prédio por um grupo de pequenos produtores rurais da Associação Chapéu de Pena, do município de Santana do Mundaú, em protesto contra o entrave na liberação dos recursos destinados à compra de uma propriedade rural, por intermédio do Banco da Terra. Os militares permaneceram no local durante toda a manhã de ontem, mas nenhum incidente foi verificado. O gerente em exercício da agência do BN em União, Róbson Cruz, explicou que, enquanto não forem resolvidas “pendências documentais”, referentes ao imóvel rural em questão, os recursos não serão liberados. “Não adianta invadir a agência para resolver o problema. Nós já fizemos nossa parte”, afirmou o gerente. Ele declarou que ficou sabendo do plano de invasão da agência por meio de um telefonema e resolveu solicitar proteção à PM. Desde as 6 horas de ontem uma guarnição estava de prontidão em frente à agência do BN. Os policiais permaneceram no local até as 11 horas, quando a gerência comunicou ao comando do 2º BPM que não havia mais perigo de invasão. “Invadir a agência só vai causar tumulto e atrapalhar o atendimento feito aos clientes. Nós já procuramos a associação e passamos todas as informações necessárias sobre o processo”, enfatizou a gerente de Negócios, Lúcia Castanha. A GAZETA tentou ouvir os representantes da Associação Chapéu de Pena, mas nenhum deles foi localizado.

Mais matérias
desta edição