app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 0
Polícia

Acusados de matar Paulo Bandeira v�o a julgamento

Um crime bárbaro e que se transformou em um processo rumoroso e demorado. Assim pode ser definida a morte do professor Paulo Bandeira, ocorrida em junho de 2003, com requintes de crueldade, na zona rural de Satuba, Grande Maceió. Na próxima segunda-feira,

Por | Edição do dia 16/03/2013 - Matéria atualizada em 16/03/2013 às 00h00

Um crime bárbaro e que se transformou em um processo rumoroso e demorado. Assim pode ser definida a morte do professor Paulo Bandeira, ocorrida em junho de 2003, com requintes de crueldade, na zona rural de Satuba, Grande Maceió. Na próxima segunda-feira, quase dez anos depois, o suposto autor intelectual e os dois homens apontados como executores vão ser julgados. Conforme o inquérito, Bandeira, que havia denunciado desvio nos recursos do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de Valorização do Magistério (Fundef), teria sido morto a mando do ex-prefeito Adalberon de Moraes. O crime teria sido executado pelos policiais militares Ananias Oliveira Lima e Geraldo Augusto Santos Silva. Os dois são apontados como os homens que atearam fogo ao carro do professor, ainda com vida, numa estrada de barro nos arredores do município. Para a família do professor, a demora para ver os indiciados no banco dos réus, prejudica, mas não afasta a necessidade de que se faça justiça. A filha da vítima, a advogada Rayssa Bandeira, 25 anos, admite que escolheu a profissão após os fatos. “Esperamos tanto tempo para que isso ocorresse. Não acreditamos que uma justiça que demora dez anos seja de verdade. Mas queremos que se cumpra”, afirmou Rayssa.

Mais matérias
desta edição