app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 0
Polícia

Acusados sentam no banco dos r�us

O primeiro dia do julgamento dos acusados na morte do professor Paulo Bandeira, ocorrida em 2003, em Satuba, foi marcado por protestos dos familiares e amigos da vítima, atraso e pelo depoimento firme da viúva Cilene Bandeira. Ela não hesitou em encarar o

Por | Edição do dia 19/03/2013 - Matéria atualizada em 19/03/2013 às 00h00

O primeiro dia do julgamento dos acusados na morte do professor Paulo Bandeira, ocorrida em 2003, em Satuba, foi marcado por protestos dos familiares e amigos da vítima, atraso e pelo depoimento firme da viúva Cilene Bandeira. Ela não hesitou em encarar o ex-prefeito Adalberon de Moraes e apontá-lo como autor intelectual do sequestro e morte de seu marido. Além do ex-prefeito, estão no banco dos réus os militares Geraldo Augusto Santos Silva e Ananias Oliveira Lima. O ex-assessor de Adalberon, José Marcelo dos Santos, está desaparecido, mas também está sendo julgado. Segundo Cilene Bandeira, Paulo havia revelado em uma conversa que teve com ela, 48h antes de seu desparecimento, que durante encontro com Adalberon havia percebido muito ódio e teria inclusive sido ameaçado pelo ex-prefeito. Este conteúdo já constava no primeiro depoimento da viúva, prestado a polícia à época do crime. “Só tenho a referendar esse depoimento. A gente confiava muito um no outro, conversávamos sempre. Ele me disse que nunca tinha visto tanto ódio nos olhos daquele homem [Adalberon]. Não tenho dúvidas de que o assassino do meu marido foi este senhor Adalberon de Moraes. Infelizmente, não posso provar isso, mas todos na cidade, no dia em que fomos lá, davam a entender isso”, disse Cilene, em voz alta e apontando para o ex-prefeito, durante depoimento ao juiz da 8° Vara Criminal, John Silas.

Mais matérias
desta edição