app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5716
Polícia

Assaltos a �nibus espalham p�nico em Alagoas

RÓDIO NOGUEIRA Os arquivos da Polícia Civil de Alagoas registram 12 assaltos a ônibus nos meses de janeiro e fevereiro de 2002. Destes, sete ocorreram em Maceió. Várias empresas foram assaltadas. Algumas à luz do dia, mas a maioria à noite nos bairr

Por | Edição do dia 03/03/2002 - Matéria atualizada em 03/03/2002 às 00h00

RÓDIO NOGUEIRA Os arquivos da Polícia Civil de Alagoas registram 12 assaltos a ônibus nos meses de janeiro e fevereiro de 2002. Destes, sete ocorreram em Maceió. Várias empresas foram assaltadas. Algumas à luz do dia, mas a maioria à noite nos bairros do Vergel do Lago, Feitosa, Benedito Bentes, Poço, Pajuçara, Trapiche da Barra e Bebedouro. A polícia revela que cada assalto rendeu em torno de R$ 25 a R$ 115. No entanto, os bandidos roubaram celulares, relógios, roupas e cartões de crédito. No interior do Estado o quadro é de pânico. Cinco coletivos foram atacados e assaltados. A polícia não tem o valor exato dos roubos. Um cabo da Polícia Militar de Alagoas foi assassinado a tiros na cidade de São Sebastião. A quadrilha foi localizada e capturada. Mas, viajar em Alagoas pode ser sinônimo de risco, pode significar ser vítima dos bandos que vêm implantando o terror no interior do Estado. No Interior, a onda de assaltos a ônibus com turistas e sacoleiros fugiu do controle das polícias Civil e Militar. No dia 9 de janeiro, na BR-101, em Pilar, oito homens encapuzados e usando metralhadoras assaltaram, simultaneamente, dois coletivos da empresa São Geraldo e um da empresa Arazul Turismo. Os cerca de 150 passageiros foram colocados para fora dos coletivos, ameaçados de morte, humilhados e roubados pelos bandidos, que fugiram levando relógios, celulares, jóias, roupas e documentos. No dia 10, na BR-423, no município de Delmiro Gouveia, o coletivo da Empresa Progresso, dirigido pelo motorista José Francisco, foi atacado por um bando de assaltantes. O ônibus foi cercado e invadido. Os passageiros novamente humilhados, roubados e, sob ameaça de armas pesadas, perderam seus pertences. Os ladrões festejaram atirando para o alto. No dia 23, o coletivo de placa GWI-7076-AL da São Geraldo, voltou a ser alvo dos criminosos que agem no interior alagoano. O coletivo foi atacado por cerca de dez homens no município de Messias. Os passageiros foram levados para um canavial e obrigados a entregar seu pertences sob a mira de metralhadoras, pistolas e espingardas calibre 12. Em nenhum destes assaltos a polícia efetivamente revelou quanto foi roubado, e nem capturou os bandidos. No dia 4 de fevereiro, um coletivo da Empresa Progresso (Recife), que faz a linha Recife/Paulo Afonso, foi atacado próximo ao Povoado Igrejinha, no município de Ouro Branco. O assalto aconteceu à luz do dia. Policiais rodoviários denunciaram diversas vezes que a estrada de Acesso ao Carié tem sido usada pelos assaltantes, pois não existe policiamento. Violência Uma prova da violência que marca as estradas alagoanas foi dada no último dia 25, na AL-101, no município de São Sebastião. O ônibus da empresa Zacarias Turismo, lotado de passageiros, foi atacado por bandidos usando armas modernas. Eles feriaram à bala as passageiras Maria Antônia, 61, e Geni Santos, 37. O cabo José Carlos Lopes da Silva, 32, que estava no coletivo reagiu ao assalto, matou o assaltante Josimar Lopes Silva, mas acabou sendo assassinado pelos comparsas do bandido. A troca de tiros entre o PM e os elementos provocou pânico entre os passageiros.

Mais matérias
desta edição