app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5736
Polícia

Vinte criminosos dominam o tr�fico de drogas em Macei�

A segurança pública tem uma missão difícil em Maceió: desarticular a liderança de 20 criminosos que comandam, difundem e mantêm o tráfico de drogas em, pelo menos, 19 localidades diferentes. A Secretaria de Estado da Defesa Social e Ressocialização (Sedre

Por | Edição do dia 14/06/2015 - Matéria atualizada em 14/06/2015 às 00h00

A segurança pública tem uma missão difícil em Maceió: desarticular a liderança de 20 criminosos que comandam, difundem e mantêm o tráfico de drogas em, pelo menos, 19 localidades diferentes. A Secretaria de Estado da Defesa Social e Ressocialização (Sedres) garante que as áreas estão devidamente monitoradas e uma delas, apesar da redução nos índices de crimes, é a que mais preocupa. O Jacintinho ganhou os holofotes nas últimas semanas devido ao enfrentamento da polícia com os traficantes. No interior, o comércio milionário das drogas se espalha como um vírus mortal. As forças policiais se uniram e tentam pôr um freio na atuação dos bandidos, mobilizaram o serviço de inteligência, mas esbarraram em um percalço: insatisfação da base e greves. O setor de inteligência das polícias tem o mapeamento de todos os criminosos que atuam na capital. Mais de mil estão catalogados. Alguns estão presos, soltos e outros morreram. O fato é que metade permanece atuando no tráfico. Neste banco de dados criminais, onde são colocados os nomes dos líderes do tráfico e as pessoas ligadas a ele, que também executam as atividades nas comunidades com grande influência, cerca de 80% do trabalho executado pelo serviço reservado da Sedres consta nele. A vivência dos policiais ao longo do tempo é, da mesma forma, uma ferramenta eficaz para entender o mundo do crime. As informações chegam de todas as fontes possíveis – desde a antiga tática de infiltração do agente de segurança nas localidades dominadas, até os informes repassados ao Disque Denúncia da Defesa Social, o 181. Os policiais sabem que, geralmente, são as mesmas pessoas que lidam com o tráfico nas áreas e não se surpreendem quando avançam no monitoramento. A maior parte dos líderes está presa no sistema penitenciário e ainda tem grande capacidade de articulação no lado de fora. Soltos ou presos, esses traficantes continuam agindo na capital e espalhando os domínios para o interior também.

Mais matérias
desta edição