app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5729
Polícia

�udio pode ajudar a elucidar crime

Arapiraca – A divulgação de um áudio que, supostamente, teria sido lançado, ontem, em redes sociais e divulgado na internet trouxe mais um elemento para a investigação do sequestro e assassinato dos comerciantes Guilherme dos Santos, vulgo “Pedro Barateir

Por | Edição do dia 25/07/2015 - Matéria atualizada em 25/07/2015 às 00h00

Arapiraca – A divulgação de um áudio que, supostamente, teria sido lançado, ontem, em redes sociais e divulgado na internet trouxe mais um elemento para a investigação do sequestro e assassinato dos comerciantes Guilherme dos Santos, vulgo “Pedro Barateiro”, 54 anos, e do filho dele, José Alex da Costa Santos, 34 anos. Os dois foram levados do estabelecimento que possuíam, em Maribondo, no dia 11 de julho e os corpos foram encontrados em um canavial localizado no povoado Serrinha, no município de Capela, sete dias após o desaparecimento. No suposto áudio, que estaria sendo atribuído ao empresário Pedro Barateiro, consta uma ligação telefônica com ameaças a uma outra pessoa não identificada. Pelo conteúdo, o empresário assassinado revelava um romance que o interlocutor estaria tendo com a mulher do filho dele. Ainda na conversa, o filho de Barateiro, José Alex, pegava o telefone do pai e reforçava as ameaças ao outro homem. No áudio, com duração de pouco mais de cinco minutos, os supostos pai e filho usavam palavras de baixo calão e, num dos trechos, havia a declaração “seu corno safado, você pode fugir de Maribondo, mas um dia eu pego você!”, frase atribuída a José Alex. Indagado sobre a veracidade do áudio ou se a polícia já trabalhava para identificar o autor da postagem, o delegado de Maribondo, Claudemiltkson Benemerkan Lourenço de Queiroz, disse apenas que também tinha tomado conhecimento por meio dos comentários que circulavam pela cidade e que o caso, como se tratava de sequestro, estava sob o comando de uma equipe formada pelos delegados Manoel Acácio, da Seção Antissequestro (SAS), Caio Rodrigues, de Atalaia, e José Carlos, da Delegacia de Homicídios da Capital.

Mais matérias
desta edição