app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5735
Polícia

Bando tinha lista para sequestro

As investigações que levaram a Polícia Civil a realizar uma operação no município de Junqueiro, na última quinta, 13, na qual três suspeitos foram mortos em suposta troca de tiros com os agentes, apontaram que a quadrilha possuía uma lista com mais de 10

Por | Edição do dia 15/08/2015 - Matéria atualizada em 15/08/2015 às 00h00

As investigações que levaram a Polícia Civil a realizar uma operação no município de Junqueiro, na última quinta, 13, na qual três suspeitos foram mortos em suposta troca de tiros com os agentes, apontaram que a quadrilha possuía uma lista com mais de 10 nomes de grandes empresários da região do Agreste que seriam sequestrados nos próximos meses. Eles também estariam envolvidos em roubos a estabelecimentos comerciais e a sequestro de gerentes de bancos no interior. Os delegados Ronilson Medeiros, diretor da Divisão Especial de Investigação e Capturas (Deic); Mário Jorge Barros, diretor da Polícia Judiciária Área 2 (DPJA2); e Fellipe Caldas, da Seção de Roubo a Bancos (Serb), explicaram, em entrevista coletiva, que um dos suspeitos era irmão do proprietário da fazenda onde ocorreu a troca de tiros. Segundo os delegados, Luciano Amorim seria a pessoa responsável por dar cobertura à quadrilha, inclusive repassando informações privilegiadas dos possíveis alvos dos sequestros. “A primeira vítima do bando é uma grande empresária da região, uma senhora já, e ele teria passado detalhes importantes para os criminosos sobre toda a movimentação diária da residência dela. Segundo nossas investigações, ele teria uma aproximação com a família. Por isso teria essas informações privilegiadas”, explicou Fellipe Caldas. A ação aconteceu ao amanhecer do dia e, de acordo com os delegados, devido a urgência em desbaratar a quadrilha, foi necessário invadir o local de imediato numa ação rápida. Ao entrarem na propriedade e ao anunciarem que eram da polícia, os criminosos teriam atirado contra os agentes, que precisaram revidar. Jadson Berto dos Santos, 28 anos, conhecido como “Dado”, Cristiano Martins Davi, 29 anos, o “Fazendeiro”, e Luciano Amorim da Silva, 37 anos, acabaram falecendo na troca de tiros.

Mais matérias
desta edição