app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5716
Polícia

Motoqueiros matam viciado a tiros de pistola na Ch� do Pilar

Suspeito de ter envolvimento com drogas, José George Goes da Silva, 18, que residia na Rua do Forno, s , na Chã do Pilar, foi atacado por três motoqueiros e assassinado com 8 tiros de pistola às 21h30 de quinta-feira, próximo à sua residência. Os três ma

Por | Edição do dia 23/03/2002 - Matéria atualizada em 23/03/2002 às 00h00

Suspeito de ter envolvimento com drogas, José George Goes da Silva, 18, que residia na Rua do Forno, s , na Chã do Pilar, foi atacado por três motoqueiros e assassinado com 8 tiros de pistola às 21h30 de quinta-feira, próximo à sua residência. Os três matadores fugiram logo em seguida à execução. Segundo o policial José Agliberto, chefe de serviço da delegacia local, a vítima teria ligação com o tráfico na região e o crime pode efetivamente estar ligado a esta questão. “A fama do José George na cidade não é das melhores. Estamos agora fazendo investigações para tentar identificar e capturar os autores do homicídio” - salienta o policial José Agliberto. Uma testemunha disse à polícia que a vítima estava próxima à sua residência, quando chegaram duas motos. Em uma delas havia dois elementos e na outra apenas um. Dois deles portando armas se aproximaram de José George e passaram a disparar. Depois fugiram em alta disparada. Ontem, o delegado Ivanildo Inácio de Brito, da cidade de Pilar, explicou que a vítima estava envolvida com assaltos e que seu irmão José Senivaldo Goes da Silva está preso no Instituto Penal São Leonardo cumprindo sentença por assaltos. “O José George praticava assaltos em nossa jurisdição e acabou sendo emboscado e morto a tiros. No entanto, independentemente do que ele era, o papel da polícia é investigar, prender e esclarecer o homicídio. E isto está sendo feito” - disse o delegado Ivanildo Inácio de Brito. O cadáver de José George foi trasladado para o Instituto Médico Legal Estácio de Lima, onde após ter sido submetido a exames foi liberado para sepultamento. A família evitou falar sobre sua execução. A polícia instaurou inquérito e vai interrogar três testemunhas.

Mais matérias
desta edição