app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 0
Polícia

Mais interrogat�rios sobre o assassinato do policial Feitosa

Dois militares de Arapiraca, um rapaz e o comerciante Sérgio Murilo de Araújo Leite, o “Sérgio Ovo”, serão interrogados esta semana no inquérito que apura o assassinato do policial civil Sinvaldo Feitosa. Sérgio Ovo foi preso acusado de participar de um

Por | Edição do dia 01/06/2004 - Matéria atualizada em 01/06/2004 às 00h00

Dois militares de Arapiraca, um rapaz e o comerciante Sérgio Murilo de Araújo Leite, o “Sérgio Ovo”, serão interrogados esta semana no inquérito que apura o assassinato do policial civil Sinvaldo Feitosa. Sérgio Ovo foi preso acusado de participar de um grupo de 17 pessoas que, segundo investigação do Ministério Público Estadual (MPE), tem participação em 19 crimes, planejados e executados com o envolvimento de delegados, PMs e agentes da Polícia Civil. Uma carta anônima, entregue ao MPE denuncia cemitérios clandestinos, dá detalhes da ação do grupo e telefones de alguns integrantes. Na semana passada, foram ouvidas duas pessoas, conhecidas apenas como “Alisson” e “Alexandre”. O último é irmão do policial militar conhecido como “Nazareno”, também ouvido durante as investigações. Ao todo, em números, trinta pessoas foram ouvidas no inquérito policial 046/2003, que apura a morte do policial civil Sinvaldo José de Souza Feitosa, emboscado por quatro homens às 22h40 do dia 8 de julho de 2003, próximo a sua residência, no Vergel do Lago. “Concluiremos o inquérito esta semana”, explica o diretor do Departamento de Polícia Metropolitano, Alcides Andrade. “Como em cada depoimento outras pessoas são citadas, acabamos nos atrasando em relação à entrega”, resume. “Guerra” das polícias Além de Sérgio Ovo, foram presos os agentes José Alfredo de Souza Pontes e Robson Rui Gomes de Araújo; o PM Josué Teixeira da Silva; os informantes Ivanildo Pereira e Walkmar dos Santos; o comerciante Vanilo Lima, o bicheiro Plínio Batista e a advogada Cláudia Pontes. Todos são acusados de participar, também, da “guerra dos policiais”, facções da polícia que se desentenderam e passaram a se matar, como nos casos do policial civil Valter Santana (morto ano passado)e Sinvaldo Feitosa. Robson Rui também é acusado pelo pai de Sinvaldo, Sinval Feitosa, de assassinar Sinvaldo. (OR)

Mais matérias
desta edição