app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5730
Polícia

Prefeita foragida ganha habeas-corpus

| GILVAN FERREIRA Repórter O presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ministro Edson Vidigal, concedeu ontem um habeas-corpus à prefeita de Estrela de Alagoas, Ângela Garrote (PP), que teve a prisão preventiva decretada, no último dia 13, pelo

Por | Edição do dia 22/12/2005 - Matéria atualizada em 22/12/2005 às 00h00

| GILVAN FERREIRA Repórter O presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ministro Edson Vidigal, concedeu ontem um habeas-corpus à prefeita de Estrela de Alagoas, Ângela Garrote (PP), que teve a prisão preventiva decretada, no último dia 13, pelo desembargador Orlando Manso. Ângela Garrote é acusada de envolvimento na morte da amante do seu marido, Antônio Garrote - falecido no último mês de setembro - Maria Jaciara de Santana, em 1999, em Arapiraca, e estava foragida até ontem. Com a decisão do ministro Edson Vidigal, a prefeita Ângela Garrote não pode ser presa até o julgamento final do pedido de habeas-corpus, que foi impetrado pelos os advogados de Ângela Garrote. O julgamento só deve acontecer depois do período de recesso do STJ, em fevereiro. Segundo o advogado Marcelo Teixeira, o presidente do STJ considerou que não havia razões jurídicas para a prisão da prefeita Ângela Garrote. “O ministro Edson Vidigal concordou com nossos argumentos e considerou que não haveria razões jurídicas para a prisão da prefeita Ângela Garrote. Ela não era nenhuma ameaça à instrução criminal reaberta pelo desembargador Manso, que considerava que em liberdade Ângela poderia interferir no depoimento da principal testemunha da morte de Maria Jaciara, José Felinto Gonçalves, o ‘Seringueira’, que está foragido”. Ainda de acordo com o advogado, Garrote não vinha obstaculizando as ações da Justiça e compareceu a todas as audiências em todas as fases do processo. O próprio STJ considerou que não haveria razões jurídicas para a prisão. “Eu tenho plena convicção de que a prefeita não tem nenhuma responsabilidade nesse crime, mas vamos provar isso na Justiça”, diz o advogado dela.

Mais matérias
desta edição