app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5729
Polícia

Seguran�a preocupa delegado de Satuba

A descoberta de um suposto plano para assassinar a prefeita de Satuba, Cícera do Bar (PL), trouxe de volta o clima de medo e tensão no município, que desde de 2002 vem sendo marcado por crimes relacionados à disputa política no município. A situação se ag

Por | Edição do dia 22/12/2005 - Matéria atualizada em 22/12/2005 às 00h00

A descoberta de um suposto plano para assassinar a prefeita de Satuba, Cícera do Bar (PL), trouxe de volta o clima de medo e tensão no município, que desde de 2002 vem sendo marcado por crimes relacionados à disputa política no município. A situação se agravou com a prisão do ex-prefeito Adalberon de Moraes e o rompimento com o grupo político da prefeita Cícera do Bar, que é comandado pela ex-primeira-dama Fátima Pedroza. Ontem, a prefeita Cícera do Bar, ainda abalada com a notícia que seus seguranças teriam “abortado” uma suposta ação de pistoleiros - três homens em um veículo Gol branco estavam há três dias acompanhando toda movimentação da prefeita - suspendeu uma reunião que iria discutir a questão da violência no município. Segundo um dos assessores da prefeita Cícera do Bar, ela teve crise de choro e teve que ser medicada. “A prefeita [Cícera do Bar] estava muito nervosa e tensa, chegou a chorar muito e foi medicada”, disse um dos seus assessores. Uma reunião amanhã pela manhã, que terá a participação do promotor Cyro Blatter, da prefeita Cícera do Bar, de representantes da Polícia Militar e o delegado de Satuba, Claudemiltkson Benemarcan vai discutir medidas de segurança no município. Sem estrutura O delegado de Satuba, Claudemiltkson Benemarcan, disse que até ontem pela manhã a prefeita não tinha registrado o fato. Ele confirmou a ação dos seguranças de Cícera do Bar, mas disse que aguardava a formalização da denúncia para investigar o caso. Benemarcan reconheceu a falta de estrutura para garantir a segurança da prefeita e da população de Satuba. “A Secretaria de Defesa Social sabe de nossa deficiência, nós só temos dois policiais na delegacia, atualmente, não temos nem viatura, que há um mês foi levada para a oficina. Para ter uma idéia, eu utilizo o meu carro para realizar algumas operações. O próprio promotor Cyro Blatter já chegou a utilizar o carro dele para ajudar numa diligência. Isso foi comunicado à SDS e estamos aguardando uma solução para resolver a situação”, desabafou o delegado.

Mais matérias
desta edição