app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5728
Polícia

Seq�estros continuam fazendo v�timas

| EDNELSON FEITOSA Repórter As prisões efetuadas nas últimas semanas, pelas polícias Civil e Militar, de vários suspeitos em seqüestros em Alagoas não têm conseguido reduzir o número de ocorrências no Estado. Três casos foram registrados no último fim d

Por | Edição do dia 07/02/2006 - Matéria atualizada em 07/02/2006 às 00h00

| EDNELSON FEITOSA Repórter As prisões efetuadas nas últimas semanas, pelas polícias Civil e Militar, de vários suspeitos em seqüestros em Alagoas não têm conseguido reduzir o número de ocorrências no Estado. Três casos foram registrados no último fim de semana, deixando a população em alerta. Em Maceió, a polícia investiga o seqüestro de um estudante de 20 anos; em Taquarana, um motorista foi atacado e teve seu caminhão roubado e, em Igaci, um fazendeiro dono de um pesque-pague foi capturado, sendo libertado após pagamento de resgate. Ontem, a Polícia Civil confirmou a existência de um seqüestro em andamento em Maceió. Este seria o terceiro caso registrado este ano. A vítima foi identificada como o estudante Hélio Marques Freire Filho, 20, que estaria desaparecido desde a noite do último sábado. Policiais do Tigre, o grupo de operações especiais da Polícia Civil, aguarda autorização da família para entrar no caso. O seqüestro ocorreu, segundo levantamentos preliminares realizados por policiais de plantão na Deplan I, no Farol, por volta das 20 horas de sábado, quando o estudante se dirigia para a casa da namorada, que não teve sua identidade fornecida pela polícia, localizada no bairro do Tabuleiro do Martins. Hélio Marques Filho teria sido atacado por três homens, fortemente armados, quando se encontrava no interior de sua Ford Ranger, branca, placa MVJ 4380/AL, nas imediações da Tratoral. O estudante teria sido levado em seu carro pelos bandidos. O comerciante Hélio Marques Freire, pai do estudante, teria telefonado para o celular do filho assim que tomou conhecimento do seqüestro. Ele acreditava que o estudante tinha sido levado por ladrões de carro que queriam, tão-somente, o veículo, abandonando o rapaz em algum canavial. No entanto, quem atendeu a ligação foi um dos seqüestradores, que exigiu pagamento de R$ 100 mil como resgate. Segundo a polícia, o comerciante estaria negociando sozinho com os seqüestradores para garantir a integridade do filho, que se encontra nas mãos dos bandidos há quase 72 horas.

Mais matérias
desta edição