app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5715
Polícia

Acusado de matar agr�nomo ser� julgado na ter�a

A cidade de São Miguel dos Campos vai parar na próxima terça-feira para acompanhar o julgamento do soldado da Polícia Militar José Feitoza da Silva Filho, acusado de ter assassinado em setembro do ano passado o agrônomo Olival Tenório Costa Neto, 26, com

Por | Edição do dia 19/05/2002 - Matéria atualizada em 19/05/2002 às 00h00

A cidade de São Miguel dos Campos vai parar na próxima terça-feira para acompanhar o julgamento do soldado da Polícia Militar José Feitoza da Silva Filho, acusado de ter assassinado em setembro do ano passado o agrônomo Olival Tenório Costa Neto, 26, com quatro tiros de revólver à queima- roupa, após uma discussão em uma churrascaria, crime que chocou a sociedade alagoana. O julgamento vai acontecer na Câmara Municipal de São Miguel dos Campos, e será presidido pelo juiz da Comarca do município, Manoel Tenório. Mas será da sociedade miguelense, representada pelo tribunal do júri, a decisão da pena a ser aplicada ao militar. A principal preocupação da acusação é de que a defesa não transforme o criminoso em vítima, alegando que o agrônomo assassinado sem chances de defesa era de família rica. “Ele cometeu um crime bárbaro e terá que ser punido pela sociedade”, afirmou o assistente de acusação, advogado Everaldo Patriota, que vai trabalhar junto à promotora Salete Adorno. Sem manifesto Segundo Patriota, Olival Tenório Neto possuía vários amigos, e estes estavam preparando uma grande manifestação para o dia do julgamento, mas o juiz Manoel Tenório pediu para que não houvesse nenhum tipo de protesto. “Ele era um jovem carismático e que teve sua vida interrompida por um ato covarde, por isso os amigos e a população de São Miguel queria homenageá-lo e pedir justiça”, disse o assistente de acusação. Os motivos do crime que chocou Alagoas, segundo a polícia, teriam sido um desentendimento entre o militar e o agrônomo em virtude de ter havido um mal-entendido entre a vítima e um filho menor do soldado da PM, dentro da churrascaria do Posto de Combustíveis Via Sul, localizada na periferia de São Miguel dos Campos. Testemunhas informaram que após terem participado de uma primeira discussão, os dois voltaram a se confrontar com o acusado efetuando os disparos, todos à queima-roupa. O agrônomo, que estava desarmado, foi atingido por três tiros de revólver calibre 38 no tórax e um quarto na região próxima ao ombro. Após ter sido baleado, foi socorrido por amigos e levado para o hospital de São Miguel dos Campos, onde não resistiu aos ferimentos à bala e acabou morrendo.

Mais matérias
desta edição