app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 0
Polícia

Garota � estuprada e morta em Coruripe

| FÁTIMA ALMEIDA Repórter Coruripe - A adolescente Maria Rosicleide da Silva Santos, 13 anos, foi estuprada e morta na madrugada de ontem, no povoado de Barreiras, município de Coruripe. O corpo foi encontrado pela manhã, no mangue que margeia o Rio Cor

Por | Edição do dia 01/03/2006 - Matéria atualizada em 01/03/2006 às 00h00

| FÁTIMA ALMEIDA Repórter Coruripe - A adolescente Maria Rosicleide da Silva Santos, 13 anos, foi estuprada e morta na madrugada de ontem, no povoado de Barreiras, município de Coruripe. O corpo foi encontrado pela manhã, no mangue que margeia o Rio Coruripe, a poucos metros do ponto mais movimentado do povoado, no trecho entre o palco da folia e a casa da garota. O acusado, que fugiu do local, foi indentificado como “Fabinho”, que teria morado vizinho à casa da vítima até o ano passado, quando se mudou com a família para o município de Penedo. Testemunhas relataram que ele teria procurado um antigo vizinho, a quem teria confessado o crime e pedido R$ 4 para fugir. O vizinho negou que tenha sido procurado. Ainda segundo os antigos vizinhos, “Fabinho” tem pouco mais de 20 anos, tem mulher e uma filha pequena na cidade de Penedo. O CRIME A mãe de Rosicleide, Maria Madalena da Silva, informou que desde a sua chegada a Barreiras, no sábado, para passar o carnaval, “Fabinho” vinha assediando sua filha. Segundo a mãe, a garota morava com a irmã, Eliene, com quem saiu na segunda-feira para brincar o carnaval na praia, juntamente com algumas amigas. As amigas relataram que por volta de 1 hora da manhã elas retornaram para casa, na companhia de Rosicleide, que ainda estava de biquíni, para mudar a roupa. “Elas disseram que ele pegou no braço dela e ficou conversando. Depois mandou que elas voltassem para a festa e disse que ela ia em seguida. Já recebemos a notícia de que ela foi estuprada e morta na beira do mangue”, disse a mãe. Madalena tem nove filhos. Segundo ela, Rosicleide nunca teve nenhum relacionamento com “Fabinho” e só teve um namorado, com quem já teria deixado de namorar há muito tempo. Além do estupro, o corpo apresentava sinais de maus-tratos. O pescoço e as pernas pareciam quebrados. Ela estava despida quando o corpo foi descoberto por populares, por volta das 6 horas, e permaneceu durante toda a manhã exposto à curiosidade pública. Somente por volta das 11 horas uma equipe do Instituto de Criminalística da Polícia Civil chegou ao local para fazer a perícia. O Instituto Médico Legal (IML) só chegou à tarde para recolher o corpo. Reincidente Na comunidade onde morou durante muito tempo, “Fabinho” tinha amigos, que disseram não esperar esse comportamento dele. Mas alguns antigos vizinhos comentaram que ele sempre exagerou na bebida e acabava entrando em confusão. Alguns lembraram, inclusive, que há algum tempo ele foi procurado pela polícia de Piaçabuçu, acusado de estuprar outra adolescente. Só que, segundo os amigos de “Fabinho”, na época ele também era menor, por isso nunca foi preso. Até a tarde de ontem, a polícia de Coruripe ainda realizava diligências para tentar localizar e prender o suspeito.

Mais matérias
desta edição