app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5729
Polícia

Pol�cia apura derrame de diploma falso

| EDNELSON FEITOSA Repórter A polícia está investigando um esquema de certificados de conclusão do ensino médio falsos, que são vendidos por R$ 150, no bairro do Vergel do Lago. Uma pessoa foi indiciada em inquérito e outras 14 estão sendo investigadas

Por | Edição do dia 24/03/2006 - Matéria atualizada em 24/03/2006 às 00h00

| EDNELSON FEITOSA Repórter A polícia está investigando um esquema de certificados de conclusão do ensino médio falsos, que são vendidos por R$ 150, no bairro do Vergel do Lago. Uma pessoa foi indiciada em inquérito e outras 14 estão sendo investigadas pela delegada de Defraudações, Geovânia Ribeiro Falcão. A fraude foi descoberta pela diretora do Colégio Rui Palmeira, Nilza Tenório, que denunciou à polícia. A diretora descobriu que estava havendo um derrame de certificados falsos quando recebeu o pedido do Conselho de Corretores de Imóveis (Creci) de uma declaração de autenticidade da certidão de Claudomiro Peixoto, que jamais havia estudado no colégio, mas estava de posse de um documento, assinado pela ex-diretora Nordens Campos Bastos, que está aposentada desde janeiro de 1990. No entanto, havia também a assinatura da secretária Rosângela Duarte, que continua trabalhando no Rui Palmeira, uma escola do município, localizada no Vergel do Lago. Nilza Tenório prestou queixa na Delegacia de Defraudações e entregou outros documentos falsos que tinham também as duas assinaturas. “A diretora Nordens Campos não poderia ter assinado aquele documento, porque na época em que trabalhava as certidões eram diferentes e pareciam diplomas de conclusão de curso”, explicou a delegada. Inicialmente, houve suspeita de cumplicidade da secretária Rosângela Duarte no golpe do diploma falso. No entanto, após um exame grafotécnico, realizado pelo Instituto de Criminalística, da Polícia Civil de Alagoas, constatou-se que a assinatura era falsa. INDICIADO A delegada esclareceu que Claudomiro foi interrogado e indiciado em inquérito, apesar de ter confessado e se colocado à disposição da polícia para ajudar na identificação e prisão do falsário. “O responsável pela venda dos certificados está identificado, mas estamos mantendo o nome em sigilo”, declarou Geovânia. As outras 14 pessoas que tiveram os diplomas falsos apreendidos pela polícia serão convocados para interrogatório pela delegada (adjunta) de Defraudações e responsabilizadas pela compra do documento falso. Existem informações de que o esquema é antigo e tem muita gente que já concluiu o ensino superior utilizando-se do artifício para chegar à universidade. Se for descoberto, além de processado deve perder o diploma.

Mais matérias
desta edição