app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5731
Polícia

Pol�cia ca�a mais 2 do bando de Ten�rio

| REGINA CARVALHO Repórter A cúpula da Secretaria de Defesa Social (SDS) apresentou, ontem, José Cícero Moraes Costa Cavalcante, o “Cicinho”, de 19 anos, acusado de integrar uma quadrilha comandada por Júnior Tenório, preso pela Polícia Federal (PF), ac

Por | Edição do dia 05/04/2006 - Matéria atualizada em 05/04/2006 às 00h00

| REGINA CARVALHO Repórter A cúpula da Secretaria de Defesa Social (SDS) apresentou, ontem, José Cícero Moraes Costa Cavalcante, o “Cicinho”, de 19 anos, acusado de integrar uma quadrilha comandada por Júnior Tenório, preso pela Polícia Federal (PF), acusada de envolvimento em assaltos, roubos de cargas e assassinatos. “Cicinho” foi preso na última sexta-feira em um apartamento alugado no loteamento Antares, próximo ao posto Jacutinga, na Via Expressa, por porte ilegal de armas. “Há muito tempo estávamos em busca dele, que aterrorizou, com outras pessoas, as rodovias BRs 316 e 101”, declarou o diretor-geral da Polícia Civil, Robervaldo Davino. “Cicinho”, que é sobrinho de Júnior Tenório, é acusado de participar do assalto à agência dos Correios em Taquarana, que culminou com a morte do cabo Romero. Com ele foi encontrado um rifle, uma pistola 380, roubada de um militar, e um colete à prova de balas. Ele é acusado, ainda, na morte de um vereador em Tanque d’Arca. Sete pessoas da quadrilha foram presas, entre elas “Val”, prisão ocorrida durante o carnaval deste ano em Paripueira, quando ele estava com parentes de Júnior Tenório. “Ele é suspeito do assalto ao veículo do presidente do Tribunal de Contas”, reforçou Davino. Foragidos Segundo informação da SDS, em relação aos integrantes da quadrilha, faltam ainda as prisões dos irmãos Fábio “Careca” e Hamilton. “Cicinho” negou qualquer envolvimento em crimes e disse que sua ligação com Júnior Tenório é apenas o parentesco. O pedido de prisão foi feito pelo juiz-substituto da 5ª Vara Criminal da Comarca de Arapiraca, Alberto de Almeida, baseando-se em denúncia de que a quadrilha estava envolvida em latrocínio a José Romero Nunes dos Anjos, o cabo Romero.

Mais matérias
desta edição