app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5716
Política

Imprensa nacional destaca den�ncia de nepotismo no governo de Alagoas

Fernando Araújo As denúncias de irregularidade na nomeação de Otávio Lessa para conselheiro do Tribunal de Contas do Estado (TCE) chegaram à imprensa brasileira, colocando Alagoas em noticiário que compromete a moralidade pública no Estado. A edição

Por | Edição do dia 08/09/2002 - Matéria atualizada em 08/09/2002 às 00h00

Fernando Araújo As denúncias de irregularidade na nomeação de Otávio Lessa para conselheiro do Tribunal de Contas do Estado (TCE) chegaram à imprensa brasileira, colocando Alagoas em noticiário que compromete a moralidade pública no Estado. A edição número 1718 da revista IstoÉ, que está nas bancas, publica ampla reportagem sobre o desgaste político do governador Ronaldo Lessa por ter indicado o irmão para o TCE. Segundo a revista, Lessa está reagindo com cautela ao falar sobre o assunto. “Todos os requisitos foram cumpridos. Otávio assumiu cargos do primeiro escalão do Estado e da Prefeitura de Maceió e nunca sua competência foi posta em dúvida. No mais, sobram futricas do calor eleitoral”, diz a nota oficial do governador, tentando anular o efeito do pedido que o PT dará entrada na Assembléia Legislativa para anular o decreto de posse de Otávio. A revista lembra que em 19 de abril, o nome de Otávio Lessa foi aprovado pelos deputados alagoanos por 22 votos a dois para ocupar a vaga do conselheiro José Bernardes, que morrera semanas antes. O cargo no TCE é vitalício e ainda conta com regalias como nomeação de assessores e verba de gabinete. Durante a sessão, os deputados Paulo Fernando dos Santos, o Paulão, e Paulo Nunes, ambos do PT, manifestaram-se contra a decisão da casa, por suspeita de compra de apoio dos deputados. É de Paulo Nunes que parte o pedido de anulação. “O momento político é tão delicado que prefiro não fazer comentários. Posso acabar sendo usado”, afirmou o autor da denúncia à IstoÉ. Nepotismo Informa a revista que, de abril até hoje, as investigações de Nunes já ultrapassaram as suspeitas de um eventual nepotismo. Otávio está sendo acusado de ter três carteiras de identidade, uma emitida em 1974 e as outras duas, em 1991. O uso de mais de um documento de identidade é crime de falsidade ideológica. Outra polêmica envolve o irmão de Ronaldo Lessa, que já ocupou a Secretaria Geral do governo. Otávio teria apresentado um diploma de curso superior falso, em que seria graduado em Administração de Empresas pelas Faculdades Simonsen, do Rio de Janeiro. No entanto, a instituição desconhece a passagem do conselheiro do TCE por suas salas de aula. “Isso eu só vou discutir após a eleição, no fórum competente. Está na cara que é um golpe político para prejudicar meu irmão”, declarou Otávio à revista. Sem saída Ainda de acordo com a revista, o PT está longe de tirar proveito do escândalo para conquistar eleitores. Em Alagoas, o desempenho do partido nas pesquisas de opinião é comparável ao do candidato Ricardo Barbosa, do nanico PSTU – menos de 1%. A candidatura do vereador Judson Cabral não decolou após a crise gerada no PT com a saída da senadora Heloísa Helena da disputa estadual. Por causa da coligação nacional de seu partido com o PL, ela teria de subir no mesmo palanque que os liberais. “O PT está colhendo o que plantou”, responde Heloísa. “Quando eles acharam que eu não era importante, eu me recolhi na minha insignificância”, acrescenta a senadora. “O irônico - escreve a revista - é que nem o apoio do PL, pivô da confusão, ao candidato do PT está acontecendo. Na semana passada, o deputado estadual Paulo Fernando dos Santos reclamou da falta de atenção à candidatura petista em Alagoas. Crítica parecida recebeu também a própria senadora Heloísa Helena, por se negar a aparecer no horário eleitoral pedindo votos para Judson Cabral. “A lógica formal explica esse meu comportamento: se eu aceitasse pedir votos com essa coligação, pediria para mim”, argumenta a senadora. Por causa da recusa, na quarta-feira, 28, a coordenação eleitoral do PT no Estado proibiu que um aliado de Heloísa, o candidato ao Senado Eduardo Bomfim, usasse o tempo da senadora na campanha da televisão. Ela também pretendia destinar seu espaço ao padre Eraldo, que disputa uma vaga na Assembléia Legislativa. Na avaliação do coordenador da campanha de Judson, Ricardo Coelho, a senadora não deveria priorizar alguns candidatos e ignorar a briga estadual. Cargo O deputado Paulo Nunes informou à GAZETA DE ALAGOAS, nesta sexta-feira, que está aguardando um documento da Faculdade Simonsen, do Rio de Janeiro, para protocolar junto à Mesa da Assembléia o pedido de anulação da sessão que aprovou o nome de Otávio Lessa para o cargo de conselheiro do TCE. “Já se sabe que o irmão do governador não tem curso superior, como consta de seu currículo, mas estou aguardando a certidão da faculdade comprovando a fraude’’, afirmou o deputado. Ele acredita que, até o fim do mês, oficializará o pedido do PT para anular a nomeação.

Mais matérias
desta edição