app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5715
Política

Cart�rios t�m dificuldades para convocar mes�rios

Os chefes dos três cartórios eleitorais de Maceió afirmam que estão tendo dificuldades para convocar as pessoas que irão trabalhar como mesários nas eleições de seis de outubro, apesar das recusas que sempre aparecem nessa época. Segundo eles, como já é

Por | Edição do dia 15/09/2002 - Matéria atualizada em 15/09/2002 às 00h00

Os chefes dos três cartórios eleitorais de Maceió afirmam que estão tendo dificuldades para convocar as pessoas que irão trabalhar como mesários nas eleições de seis de outubro, apesar das recusas que sempre aparecem nessa época. Segundo eles, como já é esperado em todos os pleitos, é sempre registrado um mesmo número de pessoas que se recusam a participar dos trabalhos da Justiça Eleitoral, mas isso não interfere nos trabalhos, pois outras são convocadas imediatamente para substituir as ausentes. As correspondências já foram enviadas e os treinamentos iniciados. As justificativas para a recusa são várias. Uns dizem que estarão de serviço no dia da votação, por isso não podem “colaborar” com a Justiça Eleitoral, outros estão fora do Estado ou mesmo do País e há ainda aqueles que mudaram de endereço e não informaram ao Tribunal Regional Eleitoral (TRE/AL). A maioria dos casos, inclusive, está inserida nessa última hipótese. “Cerca de 20% das correspondências foram devolvidas porque as pessoas mudaram de endereço e não fizeram o recadastramento. Por isso, as correspondências voltaram e teremos que substituir essas pessoas”, explicou o chefe do cartório da 2a Zona Eleitoral, Leonardo Medeiros. A 2a zona possui 124.822 eleitores, distribuídos em 259 seções. O cartório enviou 1.554 correspondências. Desse total, 200 foram devolvidas por estarem com o endereço incorreto. “Somam-se a essas pessoas aquelas que estão doentes, morando fora do País ou impossibilitadas, de forma comprovada, de participarem dos trabalhos. Com isso, o número chega a 300 pessoas que terão de ser substituídas”, disse. Na 1a Zona Eleitoral foram enviadas 2.136 correspondências, mas o número de devoluções ainda não foi contabilizado pelo cartório. “Algumas pessoas já estão comparecendo ao cartório, alegando que não podem participar dos trabalhos no dia seis de outubro. Há casos que realmente comprovam a impossibilidade da pessoa. Justificativa Outros, porém, ao serem analisados, não justificam a recusa”, informou o chefe do cartório da 1a Zona, coronel Nelson Augusto do Nascimento. Segundo ele, a Justiça Eleitoral faz a substituição nos seguintes casos: pessoas lactentes, que transferiram o domicílio, portadores de enfermidades adquiridas durante o período e aquelas que estão fora do Estado ou do País. “Nesses casos, elas têm de fazer um requerimento, anexando a devida documentação, para que o juiz possa dispensá-las”, explicou. Ainda de acordo com ele, as pessoas alegam que já participaram dos trabalhos como mesários em mais de uma eleição e não querem mais participar, que têm compromisso assumido com algum político, consideram ainda que a convocação deveria ser remunerada e acham insignificante o recebimento do tíquete-alimentação fornecido pela Justiça Eleitoral. A 1a Zona é a maior de Maceió. Possui 169.680 eleitores,  correspondentes a 41% do eleitorado da capital alagoana. Esse total é distribuído em 356 seções. “Mesmo com os faltosos, a convocação está sendo tranqüila, pois já estamos enviando novas correspondências aos substitutos”, declarou Nelson. “O que esperamos é não ter de fazer convocações de última hora”, completou. O chefe do cartório da 3a  Zona Eleitoral, João Alves, garantiu que o cartório conseguiu o  número suficiente de pessoas  para trabalhar no dia da votação.  “O número que falta a gente trata logo de substituir”, avisou. Na 3a  zona foram convocados 1.566 mesários para as 261 seções. O número de eleitores é 121.515. “Das 1.566 pessoas convocadas, 372 foram substituídas”, informou, acrescentando que metade entrou com requerimento de impedimento e a outra metade não foi localizada, pois mudou de endereço e não comunicou ao TRE.

Mais matérias
desta edição