app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5750
Política

TRE pode adiar julgamento sobre prefeito e vice de Uni�o

FERNANDA MEDEIROS O vice-prefeito de União dos Palmares, Carlos Alberto Borba Baía, entrou com requerimento no Tribunal Regional Eleitoral (TRE/AL), solicitando o adiamento do julgamento em que seria decidido o mérito de seu afastamento e do prefeito daq

Por | Edição do dia 24/09/2002 - Matéria atualizada em 24/09/2002 às 00h00

FERNANDA MEDEIROS O vice-prefeito de União dos Palmares, Carlos Alberto Borba Baía, entrou com requerimento no Tribunal Regional Eleitoral (TRE/AL), solicitando o adiamento do julgamento em que seria decidido o mérito de seu afastamento e do prefeito daquele município, Afrânio Vergetti, ocorrido em março deste ano. No requerimento, consta a alegação de que em comício realizado em União dos Palmares, no último dia 30 de agosto, o deputado federal e candidato à reeleição João Caldas (PL) teria afirmado em ato público que tinha conhecimento próprio de como foi “maquinado” o processo eleitoral que afastou o prefeito Afrânio Vergetti e o vice Carlos Alberto. “Inclusive, pegamos a fita em VHS do comício realizado por João Caldas e anexamos ao processo. Também pedimos o depoimento do deputado do PL, dentro das normas legais, já que se trata de um parlamentar do Congresso Nacional, onde, inclusive, ele afirma que até o governador Ronaldo Lessa (PSB), também candidato à reeleição, foi enganado e que se compromete a prestar depoimento no Ministério Público e na Justiça Eleitoral”, explicou o advogado do vice-prefeito, Marcelo Tadeu Leite da Rocha. Segundo Marcelo Tadeu, a verdade sobre os fatos tem de vir à tona. “Queremos a verdade. O que realmente ocorreu? A Justiça Eleitoral e a população alagoana também querem saber”, declarou o advogado. “O que o deputado João Caldas sabe que a Justiça Eleitoral desconhece?”, questionou. Ele declarou ainda que esse fato está caracterizando uma trama política para afastar o prefeito e o vice-prefeito de União dos Palmares. O prefeito Afrânio Vergetti foi afastado do cargo no último dia 12 de março, acusado de abuso de poder econômico e político. “Essa acusação não tem fundamento, pois, na verdade, o município estava em estado de calamidade pública e as ações para socorrer as vítimas das enchentes foram implantadas pelo próprio governo do Estado, em conjunto com o governo federal”, destacou Marcelo Tadeu. Como a sessão do Pleno do TRE/AL foi suspensa, na tarde de ontem, os processos só serão julgados no dia de hoje. “Esperamos, no entanto, que os juízes adiem o julgamento do nosso processo, tendo em vista o requerimento que formulamos com a exposição dos fatos já citados”, finalizou o advogado. A GAZETA tentou ouvir o deputado João Caldas, mas seu telefone celular estava desligado.

Mais matérias
desta edição