app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5718
Política

Presidente afastado da C�mara de Vi�osa se defende de acusa��es

Sucursal União dos  Palmares – O presidente da Câmara de Viçosa, José Maria Pedrosa, mais conhecido como “Pedrosinha”, argumentou que a  decisão pelo seu afastamento do cargo por dois  meses, decidido na ultima quinta-feira, não tem  validade. De acordo

Por | Edição do dia 23/02/2002 - Matéria atualizada em 23/02/2002 às 00h00

Sucursal União dos  Palmares – O presidente da Câmara de Viçosa, José Maria Pedrosa, mais conhecido como “Pedrosinha”, argumentou que a  decisão pelo seu afastamento do cargo por dois  meses, decidido na ultima quinta-feira, não tem  validade. De acordo com  ele, a sessão foi encerrada sem que o requerimento solicitando seu afastamento fosse lido em plenário. “Não permiti a leitura do documento, que não poderia ser colocado no expediente do dia, uma vez que o requerimento deveria ter sido apresentado às comissões 48 horas antes”, argumentou Pedrosinha. Para ele, o que ocorreu foi uma arbitrariedade por parte dos seis vereadores e “abuso de poder, não respeitando o regimento interno”. “Não abandonei a sessão, apenas a encerrei dentro do tempo previsto”, frisou ele. Pedrosinha foi afastado, segundo os vereadores, por obstruir os trabalhos da Comissão Especial de Inquérito (CEI), instalada para apurar a aplicação dos recursos na reforma do novo prédio da Casa. No requerimento apresentado, aprovado por seis votos a zero, os vereadores da CEI alegaram que a Câmara foi fechada no dia 6 de janeiro, o que acabou impedindo os trabalhos de investigação. Comunicado “Eles querem me afastar porque minha secretária fechou o plenário por volta das 11h30, quando deveria fazê-lo às 13 horas. Eu estava em Maceió e não fui comunicado. Mas todos os outros setores da Câmara permaneceram abertos no horário normal, até às 13 horas”, explicou Pedrosinha. O presidente afastado da Câmara garante que não existem irregularidades nas contas do Poder Legislativo e que o Tribunal de Contas do Estado (TC/AL) já realizou auditoria, a seu pedido, e nada constatou.

Mais matérias
desta edição