app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5750
Política

Elei��o pode ser definida por seis grandes estados

Belo Horizonte – O candidato do PT à Presidência, Luiz Inácio Lula da Silva, larga em vantagem sobre seu oponente, o senador José Serra (PSDB), na soma de apoios que reúne nos seis maiores colégios eleitorais do país, que somam juntos 62% de todo o eleito

Por | Edição do dia 10/10/2002 - Matéria atualizada em 10/10/2002 às 00h00

Belo Horizonte – O candidato do PT à Presidência, Luiz Inácio Lula da Silva, larga em vantagem sobre seu oponente, o senador José Serra (PSDB), na soma de apoios que reúne nos seis maiores colégios eleitorais do país, que somam juntos 62% de todo o eleitorado nacional. Enquanto existe equilíbrio em São Paulo, Minas Gerais e Rio Grande do Sul, com ligeira vantagem para um ou outro lado, Lula está em melhor situação no Rio de Janeiro, Bahia e Paraná. Na opinião de cientistas políticos, as oscilações nesses seis Estados, com pequena contribuição de outros sete que estão na faixa entre 2% e 5% do eleitorado, cada um, definirão os rumos da eleição. Talvez a melhor situação de Lula esteja na Bahia do senador eleito Antonio Carlos Magalhães (PFL), o quarto maior colégio, com 7,4% dos eleitores do país. O petista já obteve expressiva votação, 55,3% dos votos válidos, contra 46,4% de sua média nacional, e tem agora o apoio de ACM: ou seja, o petista, além de contar com o voto anticarlista (o PT ficou em segundo lugar na eleição para governador, com 38,5% de votos válidos), terá agora grande parte do voto fiel ao carlismo. Na Bahia, o PFL elegeu o governador, dois senadores e 19 deputados federais. Apoio No Rio, segundo maior colégio eleitoral (8,9%), Lula tem o suporte da significativa parcela da população que sempre vota com a esquerda e, dependendo do apoio que receber do ex-governador Anthony Garotinho (PSB) – que foi o mais votado no Estado, com 42,2% dos votos válidos – pode melhorar ainda mais o seu desempenho, que foi de 40,2%. Para o cientista político José Monroe Eisenberg, do Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro, a forma como se dará o apoio de Garotinho e o conseqüente resultado no Rio serão decisivos para uma vitória ou não de Lula no país.

Mais matérias
desta edição