app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5715
Política

Novo governo vai unir o pa�s, garante Jos� Dirceu

São Paulo – O presidente nacional do PT, deputado José Dirceu (SP) – que deverá ser um dos principais homens do governo de Luiz Inácio Lula da Silva – disse ontem pela manhã que Lula pretende fazer um governo que “una” o País. A idéia, segundo ele, é que

Por | Edição do dia 28/10/2002 - Matéria atualizada em 28/10/2002 às 00h00

São Paulo – O presidente nacional do PT, deputado José Dirceu (SP) – que deverá ser um dos principais homens do governo de Luiz Inácio Lula da Silva – disse ontem pela manhã que Lula pretende fazer um governo que “una” o País. A idéia, segundo ele, é que haja um “diálogo” constante entre o governo, partidos políticos e os diversos setores da sociedade. Dirceu reiterou que será desenvolvido um “conselho de desenvolvimento econômico e social” que será a “matriz de um pacto social para aprovar as reformas tributária, previdenciária e trabalhista, aumentar as exportações, reduzir juros e retomar o crescimento”. Antes de votar em uma universidade no bairro de Moema, zona sul da capital, Dirceu afirmou que o governo terá uma linha de “centro-esquerda”, que ele definiu como a da “mudança com segurança” e do “avanço com tranqüilidade”. “O caminho do PT é da esquerda, mas o Brasil votou em alianças, e o partido fez uma aliança de centro-esquerda. É preciso respeitar a vontade do País”, afirmou. Em tom de brincadeira, Dirceu disse que o novo governo não vai começar com o “pé direito”, mas com o “pé esquerdo”. Mas emendou, também, em tom irônico: “O Brasil votou na esquerda, na centro-esquerda como eu gosto. O centro é que é bom para o País”. Para tentar garantir tal “tranqüilidade”, o cacique petista afirmou que Lula fará hoje um “pronunciamento à nação” e que, terça-feira, vai se encontrar com o presidente Fernando Henrique Cardoso no Palácio do Planalto, quando deverá anunciar a coordenação da equipe de transição. Dirceu não quis adiantar nomes nem o modelo de tal coordenação, mas afirmou que existem três “opções de formato e tipo”. O coordenador executivo da campanha petista, Luiz Gushiken, disse que os nomes da coordenação seriam definidos ainda ontem.

Mais matérias
desta edição