app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5710
Política

Longas filas n�o se repetem no segundo turno

Ao contrário do primeiro turno, a eleição em Maceió para a escolha do presidente da República não provocou as extensas filas registradas no dia 6 de outubro. O eleitor votou em tempo médio de um minuto, agilizando o processo. Esse rendimento só foi in

Por | Edição do dia 28/10/2002 - Matéria atualizada em 28/10/2002 às 00h00

Ao contrário do primeiro turno, a eleição em Maceió para a escolha do presidente da República não provocou as extensas filas registradas no dia 6 de outubro. O eleitor votou em tempo médio de um minuto, agilizando o processo. Esse rendimento só foi interrompido por problemas isolados em algumas urnas eletrônicas, que apresentaram defeitos. Em algumas seções eleitorais, da 1ª Zona Eleitoral, no Colégio Moreira e Silva, no Cepa, não havia qualquer fila: o eleitor chegava e votava de imediato. No período da tarde o movimento de eleitores nas seções foi tão pequeno que muitas ficaram vazias durante quase todo o período. O ex-presidente Fernando Collor de Mello e sua esposa, dona Rosane, votaram às 16h30, na escola estadual Diegues Júnior, na Ponta da Terra. Antes porém do início do processo de votação houve concentração de eleitores e filas maiores à porta das seções, a exemplo de pontos localizados no Conjunto Eustáquio Gomes de Melo. “Aqui parece ter faltado mesário, porque está lento, mas acredito se tratar apenas de problemas iniciais, que serão logo resolvidos, ao contrário das terríveis filas do primeiro turno”, disse a professora Maria das Graças Inês dos Santos, que aguardava, logo cedo, o seu momento de confirmar o voto no novo presidente. Na Escola de Ensino Fundamental Padre Pinho, em Cruz das Almas, pertencente à 2ª Zona Eleitoral, a urna da 12ª seção eleitoral apresentou problemas de encaixe e funcionamento, mas técnicos do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) conseguiram consertar e os trabalhos voltaram logo à normalidade. “A gente esperou um pouco mais, porém, agora a fila está andando rapidamente, creio que logo cedo saberemos quem será o nosso novo presidente”, disse o metalúrgico Demétrio Santos, residente no bairro de Cruz das Almas. Houve problemas em pelo menos quatro urnas, na Escola Rosalvo Ribeiro dos Santos, na 2ª Zona Eleitoral, no Jacintinho, dificultando os trabalhos e deixando os eleitores impacientes por terem sido submetidos a uma fila única a partir da calçada do estabelecimento. “Estamos aqui esperando debaixo de todo este sol e aconteceram defeitos nas urnas. Queremos providências urgentes”, protestou de forma impaciente a eleitora Elionora Messias da Silva. No Colégio Estadual Theo Brandão, no Santo Eduardo, as filas estavam bem organizadas e amenas, mas mesmo assim alguns eleitores reclamaram de pessoas que estavam utilizando crianças pequenas para passar na frente. “Tem gente trazendo a mesma criança duas, três vezes, só para furar fila”, reclamou o militar Maxwel Gama Tavares. A psicóloga Marília Soares explicou que os mesários necessitavam ter mais agilidade. “Eles estão colocando um por um, quando acho que poderiam entrar de três em três eleitores”, observou. A técnica de apoio, do TRE, Eleusa Kátia Rocha disse que o processo estava tranqüilo, fluindo bem, apesar de reclamações isoladas. “Está tudo na maior paz, muito diferente do primeiro turno”, completou.

Mais matérias
desta edição