app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5750
Política

Palocci distribui equipe de transi��o em cinco grupos

Brasília – A equipe de transição produzirá, até o dia 24 de novembro, 26 relatórios setoriais que vão compor uma radiografia da máquina do governo, abordando sua estrutura administrativa e orçamentária, finanças, quadro de pessoal, situações emergenci

Por | Edição do dia 13/11/2002 - Matéria atualizada em 13/11/2002 às 00h00

Brasília – A equipe de transição produzirá, até o dia 24 de novembro, 26 relatórios setoriais que vão compor uma radiografia da máquina do governo, abordando sua estrutura administrativa e orçamentária, finanças, quadro de pessoal, situações emergenciais, projetos e contratos em  vigor. No item projetos, o levantamento também deverá apresentar a posição política do atual governo e do PT sobre seus objetivos e eficácia. E, como desfecho de cada um dos documentos, recomendações do grupo que analisou os dados disponibilizados pela equipe de Fernando Henrique Cardoso. O prazo – exíguo à primeira vista – e o sistema de trabalho foram formatados ontem, na primeira reunião formal da equipe de transição com o seu coordenador geral, Antônio Palocci Filho. O levantamento não esgota o trabalho do grupo, cujas atividades se encerram oficialmente só em 10 de janeiro. As informações serão a base de um relatório único, a ser finalizado no início de dezembro, que subsidiará as primeiras ações do futuro governo. Áreas de atuação As áreas temáticas adotadas seguem a estrutura dos ministérios e secretarias de governo e foram reagrupadas em cinco grandes segmentos: gestão e governo, coordenada por Luiz Gushiken; desenvolvimento econômico, por Tânia Bacelar; políticas sociais, por Humberto Costa; infra-estrutura, por Dilma Roussef; e empresas públicas e instituições financeiras do Estado, por José Sergio Gabrielle. Segundo Palocci, o prazo dado é suficiente para o trabalho proposto, pois sua equipe terá como foco a “unificação de um diagnóstico, a preparação de um relatório e a avaliação dos procedimentos e regras de cada ministério”. “Não é um trabalho de proposições, que cabe ao futuro governo e ao seu ministério”, declarou.

Mais matérias
desta edição