app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5750
Política

FHC teme que Lula traga o populismo de volta ao Pa�s

Lisboa – O presidente Fernando Henrique Cardoso disse que temmedo de que a eleição do petista Luiz Inácio Lula da Silva à Presidência da República possa trazer a volta do populismo no país. “Disso tenho medo. Se há risco no Brasil, é o regresso do populis

Por | Edição do dia 13/11/2002 - Matéria atualizada em 13/11/2002 às 00h00

Lisboa – O presidente Fernando Henrique Cardoso disse que temmedo de que a eleição do petista Luiz Inácio Lula da Silva à Presidência da República possa trazer a volta do populismo no país. “Disso tenho medo. Se há risco no Brasil, é o regresso do populismo. Lula é um líder, é um democrata, tem um partido e tem o Congresso como refe-rência. Mas podem tentar fazer dele um líder carismático. Aí é ruim para ele e ruim para o Brasil”, disse o presidente em entrevista publicada hoje no jornal “Público” de Lisboa. O presidente amenizou em seguida afirmando que seu sucessor terá “força de espírito” para não se deixar levar “por esse canto da sereia”. FHC criticou o projeto “Fome Zero”, anunciado como prioridade por Lula, que segundo ele, é um retrocesso se comparado com os projeto sociais colocados em prática por seu governo. É uma volta atrás. Um regresso a técnicas que substituímos porque não funcionavam, como a distribuição de cestas de alimentação. Substituímos isso por cartões magnéticos para a mãe-de-família comprar o que quer onde quer”, disse. Apesar de afirmar que seu sucessor mudou “várias vezes” desde que o conheceu, em 1973 – quando ainda era secretário do sindicato dos metalúrgicos de São Bernardo do Campo (SP) – FHC disse que “boa parte” do PT é atrasado e que não teria percebido mudanças no governo e na sociedade. “O nosso problema é que já  houve uma revolução copernicana e nós temos ainda muitos ptolomaicos. Gente que acredita que é o  Sol que gira em redor da Terra. É gente que quer que a economia do Brasil fique fechada, quando existe a globalização; gente que quer que o Estado ocupe todos os espaços quando a sociedade civil já é forte. Desse ângulo, uma boa parte do PT é atrasado”, disse o presidente. À imprensa portuguesa, FHC disse que o PT tem atualmente uma aliança política mais ampla do que ele próprio teve. “O Lula de hoje, o PT de hoje, é um partido com amplas alianças, muito mais amplas do que as que eu tive”, disse o presidente. Ele descartou a possibilidade de próximo governo fechar a economia e afirmou que o MST não irá dominar o governo Lula sob pena dele “não se sustentar no poder”. Ao recusar o rótulo de neo-liberal – e afirmar ser contrário à doutrina – FHC disse que fortaleceu o Estado, mas de forma “porosa”, ou seja, articulada com a sociedade civil. Sobre José Serra, candidato do PSDB derrotado à Presidência, FHC evitou comentar o porquê dele não ter “colado” sua candidato ao do governo e rejeitou a idéia de que ele estaria à sua esquerda. “À minha esquerda? De forma alguma. O Serra foi meu ministro e fez a minha política”, disse. Última viagem O presidente Fernando Henrique Cardoso encerrou ontem, com a abertura de uma exposição comemorativa ao centenário do ex-presidente Juscelino Kubistchek, sua última visita como chefe de Estado à Portugal. Num dia cheio de homenagens, o presidente voltou a expressar confiança no futuro do país e na aproximação do Brasil e do Mercosul com a União Européia. Hoje, o presidente inicia a segunda fase da sua última visita à Europa. Na cidade de Oxford, interior da Inglaterra, ele será homenageado com o título de Doutor Honoris Causa da tradicional universidade britânica. O embarque para Oxford está marcado para as 8h (horário de Brasília) e sua chegada prevista para as 12h15.

Mais matérias
desta edição